…

Em jogo, Bolsonaro espanca gays, mulheres e negros

Sociedade

“Derrote os males do comunismo nesse game politicamente incorreto e seja o herói que vai livrar uma nação da miséria. Esteja preparado para enfrentar os mais diferentes tipos de inimigos que pretendem instaurar uma ditadura ideológica criminosa no país. Muita porrada e boas risadas.”

Este é o convite para download do jogo Bolsomito 2K18, desenvolvido pelo BS Studio e disponível na plataforma Steam. No game, o candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) espanca feministas, negros, gays e militantes de esquerda.

Segundo os criadores, o jogo é inspirado no atual momento político brasileiro e tem como protagonista “um cidadão de bem que está cansado da crescente corrupção e inversão de valores que abala a sociedade”.

O objetivo do jogador é acabar com os líderes do temido exército vermelho, responsável por alienar e doutrinar grande parte da nação, para que defendam e lutem por suas causas terríveis. “No entanto, para chegar nos cabeças da organização, o Bolsomito deverá enfrentar diferentes grupos que tinham como missão defender o povo, mas hoje, nada mais são que marionetes do exército vermelho”, descreve a página do game.

jogo.png

Em outra cena, há agressão de mulheres e referência preconceituosa ao Nordeste

Jogadores

A reportagem observou boa parte dos comentários feitos na página do jogo e não há críticas ao conteúdo ofensivo da produção. Das 77 análises postadas até o momento da publicação desta nota, 69 eram “muito positivas”.

“Um jogo bem opressor. Rende umas 2-3 horas de diversão e boas risadas e trazendo com ele várias figuras brasileiras. Bora salvar esse país lutando contra o exército vermelho! BOLSONARO 2018″, diz um dos jogadores. “AMEI ESSE JOGO! chora comunistas!!! kkkkkkkkkkkkk”, afirma outro. “Só sair dando socos e chutes nos petralhas kkkkkkk (que não deixa de ser o máximo) #Elesim”, comemora um terceiro.

Após a repercussão negativa, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) abriu um inquérito civil público para investigar os responsáveis. No entendimento da Comissão de Proteção dos Dados Pessoais e do Núcleo de Enfrentamento à Discriminação do MPF, o jogo possui clara intenção de causardanos morais coletivos aos movimentos sociais, gays e feministas. 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem