Sociedade

Caso Marielle: Ronnie Lessa e Élcio Queiroz entram com recurso para evitar júri popular

Presos desde 2019, eles respondem por duplo homicídio triplamente qualificado por motivo torpe e emboscada

Ronnie Lessa e Élcio Vieira, apontados como executores da vereadora Marielle Franco (Foto: Reprodução/Rede Globo)
Apoie Siga-nos no

O sargento reformado da Polícia Militar Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Queiroz entraram com recurso na Justiça para não serem levados a júri popular, conforme determinou, em março, a 4ª Vara Criminal da Justiça do Rio. Os recursos serão julgados pela 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça. Ronnie e Élcio são acusados das mortes da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, executados no Estácio, bairro na Região Central do Rio, em 14 de março de 2018.

Os dois estão presos desde o ano passado em Porto Velho (RO) e respondem por duplo homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, emboscada e sem dar chance de defesa às vítimas.

Ronnie Lessa é apontado na denúncia como o autor dos disparos. Ele estaria no banco de trás do Cobalt que perseguiu o carro da vereadora. Segundo a investigação, Élcio de Queiroz dirigia o veículo.

Ainda não há respostas sobre quem mandou matar Marielle e Anderson. O caso é tratado como sigiloso pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ). A Polícia Federal havia se oferecido para assumir as investigações, mas o estado declinou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo