Sociedade

Bolsonaristas invadem campus da Unifesp e destroem instalação com imagens de Marx e Marielle

“Eles indagaram porque não havia ali uma imagem do [ex-presidente] Jair Bolsonaro”, afirma professor da universidade

Antes de pintar mural da universidade, vândalo fala sobre os símbolos e personalidades, em vídeo publicado em sua rede social - Foto: Reprodução/Instagram
Apoie Siga-nos no

Dois homens bolsonaristas invadiram o campus de Guarulhos da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), na última quarta-feira (20), e destruíram um painel que fazia parte da instalação “Unifesp mostra sua arte”, que tinha imagens de personalidades como o filósofo Karl Marx e a vereadora carioca Marielle Franco.

Usando tinta branca, os bolsonaristas pintaram os murais da instalação. Quando os alunos do curso de Relações Internacionais notaram, todo o mural já estava coberto de branco.

“Eles indagaram que, se havia imagens de personalidades ali, porque não havia ali uma imagem do [ex-presidente] Jair Bolsonaro”, conta o professor Rodrigo Medina Zagni, chefe do Departamento de Relações Internacionais da Escola Paulista de Política da Unifesp.

“A base que deu apoio ao bolsonarismo independe do Bolsonaro, outras lideranças podem se aproveitar dessa base, ela continua ativa. Neste caso, esses dois podem usar essas imagens para se promoverem nas próximas eleições”, alerta Zagni.

A Polícia Militar foi chamada ao campus da universidade e, apesar das evidências e do muro com tinta fresca, recusou-se a levar os bolsonaristas para a delegacia. Sobre a recusa da PM, o Brasil de Fato procurou a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP), que não respondeu até o fechamento desta matéria. Caso o faça, o texto será atualizado.

Nesta sexta-feira (22), a universidade registrou um boletim de ocorrência contra os dois bolsonaristas.

Os autores da depredação do patrimônio da universidade confessaram em suas redes sociais que pintaram os murais e atacaram as personalidades homenageadas na instalação. “Alguém avisa que a Marielle morreu”, fala um dos bolsonaristas, antes de pintar o mural.

Para evitar dar visibilidade aos autores – confessos – da depredação do mural da universidade, o Brasil de Fato não divulgará a identidade e as redes sociais dos bolsonaristas.

Mural antes e depois do vandalismo / Foto: Reprodução/Instagram

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo