Atentado mata 2 índios Guajajara na BR-226, no Maranhão

Indígenas voltavam de uma reunião e sofreram uma emboscada na rodovia neste sábado

Protesto de índios Guajajara após atentado no Maranhão (Foto: Josoaldo de Oliveira/Divulgação)

Protesto de índios Guajajara após atentado no Maranhão (Foto: Josoaldo de Oliveira/Divulgação)

Sociedade

 

 

Dois índios Guajajara morreram e dois ficaram feridos em um atentado ocorrido neste sábado 7 na BR-226, entre as aldeias Boa Vista e El Betel, no Maranhão.

A Secretaria de Direitos Humanos e Participação Popular do Maranhão informou, no Twitter, que está acompanhando o caso, com a Secretaria de Segurança Pública e representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai).

As vítimas fatais são Firmino Silvino Guajajara e Raimundo Bernice Guajajara. Após os crimes, índios Guajajara fizeram um protesto e fecharam a BR-226.

Sonia Guajajara, liderança indígena, que foi candidata a vice-presidente na chapa do PSOL nas últimas eleições, narrou o atentado em seu Instagram. “Um carro passou e atirou contra dois indígenas que estavam de moto na estrada. Firmino Prexede Guajajara morreu na hora, Nelsi Olímpio Guajajara levou um tiro na perna e está ferido. Os indígenas voltavam de uma reunião de articulação pra defender seus direitos. No mês passado, Paulo Paulino Guajajara, que trabalhava como guardião da floresta defendendo o território indígena contra exploração ilegal, foi assassinado por madeireiros próximo ao local do novo crime contra os Guajajara.”

View this post on Instagram

🇧🇷[BRA] URGENTE! Nesta manhã, na BR 226 que corta a terra indígena do povo Guajajara no Maranhão, na aldeia El Betel, um carro passou e atirou contra dois indígenas que estava de moto na estrada. Firmino Prexede Guajajara morreu na hora, Nelsi Olímpio Guajajara levou um tiro na perna e está ferido. Os indígenas voltavam de uma reunião de articulação pra defender seus direitos. No mês passado, Paulo Paulino Guajajara, que trabalhava como guardião da floresta defendendo o território indígena contra exploração ilegal, foi assassinado por madeireiros próximo ao local do novo crime contra os Guajajara. Até quando isso vai acontecer? Quem será o próximo? É preciso que as autoridades tenham uma olhar específico para os povos indígenas, vida estão sendo tiradas em nome do ódio e preconceito! Nenhuma gota mais de sangue indígena! . 🇬🇧 [ENG] URGENT! This morning, on BR 226, which crosses the indigenous land of the Guajajara people in Maranhão, in El Betel village, a car drove past and shot two Indigenous who were riding a motorcycle on the road. Firmino Prexede Guajajara died on the spot, Nelsi Olímpio Guajajara was shot in his leg and is injured. The indigenous people were returning from a meeting to defend their rights. Last month, Paulo Paulino Guajajara, who worked as a forest keeper defending indigenous territory against illegal logging, was murdered by loggers near the scene of the new crime against Guajajara people. Until when will this happen? Who will be the next one? The authorities must take a specific look at indigenous people, life is being taken in the name of hate and prejudice! No More Indigenous Blood!!! . 🇪🇸 [ESP] version en español en los comentarios . #povosindígenas #indigenas #paulopaulinoguajajara #genocidioindigena #direitoshumanos

A post shared by Sonia Guajajara (@guajajarasonia) on

*Com informações da EBC

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem