Apoiadores começam a encarar Bolsonaro como “frouxo”, diz especialista em redes sociais

No dia da prisão de Queiroz, bolsonaristas têm baixo engajamento nas redes sociais

Jair Bolsonaro (Foto: EVARISTO SA / AFP)

Jair Bolsonaro (Foto: EVARISTO SA / AFP)

Política,Sociedade

Na última quinta-feira 18, dia da prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor parlamentar do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), a reação dos bolsonaristas nas redes sociais foi “extremamente pífia, ficando com menos de 18% do total dos usuários analisados”. É a conclusão de Pedro Barciela, especialista em monitoramento de redes sociais.

Em monitoramento divulgado nesta sexta-feira 19, o analista levanta algumas hipóteses.

“Uma das características centrais do agrupamento bolsonarista é o volume frenético de produção de conteúdo. Como comparação, dias atrás publiquei uma análise aqui onde a relação usuários/conexões estava em 1,77. Ontem, essa relação caiu para 1,29”, explica.

“Basicamente os bolsonaristas não se mobilizaram hoje como de costume. Uma hipótese é a falta de uma linha argumentativa central e de ordens bolsonaristas. Porém, outra hipótese que circula é: parte do bolsonarismo começa a encarar Bolsonaro como ‘frouxo’”, afirma o especialista.

No gráfico disponibilizado, os perfis bolsonaristas estão representados no grupo 1 da pesquisa.

No estudo, Barciela também observou o comportamento de usuários do grupo 2, classificado como “um lavajatismo minguado, sofrido, que recebe massagem cardíaca diariamente de parte da imprensa e, ainda assim, não vinga e dificilmente conseguirá em um futuro próximo se colocar como oposição ao bolsonarismo”.

No agrupamento laranja, Barciela considera lideranças políticas, principalmente do PT e do PSOL. “Vão entrar aqui também blogs de esquerda e outros veículos da imprensa tradicional que foram expelidos dos agrupamentos bolsonaristas pós 2016”, esclarece.

O especialista ainda reconhece um agrupamento azul que, em sua opinião, “é o que mais dificulta a polarização tão desejada por Bolsonaro em qualquer embate político”. “São perfis que não se encaixam no discurso de ‘comunistas petralhas’, possuem pautas diversas, mas se unem pelo repúdio ao bolsonarismo”.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site CartaEducação

Compartilhar postagem