Sociedade

Alegoria de uma época, o astrólogo Olavo viveu tomado por um delírio de grandeza

O “filósofo” inspirou a guerra cultural levada a cabo aos trancos e barrancos pela tropa bolsonarista instalada em Brasília. Sua influência no governo diminui, no entanto, ao longo do mandato

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)
Apoie Siga-nos no

Dos tempos bicudos de astrólogo de jornais à glória de ser reconhecido como guru do bolsonarismo, Olavo de Carvalho escolheu a mistificação e o embuste como modo de sobrevivência.

Foi um longo caminho de aprendizagem.

Nos anos 1980, Olavo testou o atalho da religião. Liderou no Brasil a seita Tradição, fundada no Reino Unido e alvo de investigação da Polícia Federal por extorsão e contrabando, entre outros crimes. Em seguida, formou a sua própria congregação, inspirada no esoterismo islâmico. A experiência durou pouco. Infelizmente para o nosso personagem errante, fundar igrejas ainda não havia se tornado um negócio lucrativo.

Na década seguinte, Olavo decidiu pregar em outras paragens. Em 1996, seu livro O imbecil coletivo, crítica rasa e desconexa da cultura brasileira, recebeu elogios de Paulo Francis e levou o economista Roberto Campos a definir o autor como “filósofo de grande erudição”. A coluna na extinta revista Época, então dirigida pelo jornalista Augusto Nunes, lhe deu alguma projeção e virou a semente de uma praga que se alastraria pela mídia: bárbaros, em geral incultos e medíocres, contratados para investir contra os marcos civilizatórios sob o manto do combate ao “politicamente correto”.

O “original” Olavo, cercado por imitadores baratos, surfou a onda. Vieram novos livros, o canal no YouTube, os cursos online e a aproximação com o clã Bolsonaro. O “filósofo” inspirou?feature=oembed" frameborder="0" allowfullscreen> a guerra cultural levada a cabo aos trancos e barrancos pela tropa bolsonarista instalada em Brasília.

Sua influência no governo diminui, no entanto, ao longo do mandato. Nos últimos tempos, andava ressentido e mandava recados da cabana em Richmond. Viveu até o fim tomado por um delírio de grandeza, mas não teve tempo de aprimorar o olavismo, arcabouço teórico com o qual pretendia superar os gregos e os modernos e iluminar o mundo, alicerçado em insultos, palavrões e obsessão fálica (traço em comum com o ex-capitão).

Na melhor das hipóteses, ficará para a história como uma nota de rodapé, alegoria de um período tenebroso. Aos 74 anos, deixa mulher, oito filhos, 18 netos, algumas armas e um enorme rebanho.

 

Sergio Lirio

Sergio Lirio
Redator-chefe da revista CartaCapital

Tags: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.