Política

Bolsonaro me usou como garoto propaganda para se promover, diz Olavo de Carvalho

‘Não venham com esperanças tolas, porque é o seguinte: a briga já está perdida’, afirmou o ex-guru bolsonarista

O escritor Olavo de Carvalho. Foto: Reprodução/YouTube
Apoie Siga-nos no

O escritor Olavo de Carvalho, considerado o ‘guru’ do bolsonarismo, afirmou, em entrevista ao canal do Youtube “Conversa Talk” nesta terça-feira 21, que o Presidente Jair Bolsonaro o usou como “poster boy”, que significa garoto propaganda em inglês, para “se promover e se eleger”. 

“Então, a minha influência sobre o Bolsonaro é zero. Ele me usou como ‘poster boy’. Me usou para se promover, para se eleger. E, depois disso, não só esqueceu tudo o que dizia, como até os meus amigos que estavam no governo ele tirou”, acrescentou.

https://twitter.com/thony_cezarino/status/1473076448550342658?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1473076448550342658%7Ctwgr%5E%7Ctwcon%5Es1_&ref_url=https%3A%2F%2Fnoticias.uol.com.br%2Fpolitica%2Fultimas-noticias%2F2021%2F12%2F21%2Folavo-de-carvalho-diz-que-bolsonaro-lhe-usou-como-poster-boy-para-se-eleger.htm

O guru também declarou que considera que “a briga já está perdida” para as eleições presidenciais de 2022, acreditando numa derrota do atual presidente. 

“O Brasil vai se dar muito mal, gente. Não venham com esperanças tolas, porque é o seguinte: a briga já está perdida. Existem chances de fazer voltar… Existe uma chance remota, mas só se o Bolsonaro acordar, mas eu não sei como fazê-lo acordar. Dizem que eu sou o ‘guru do Bolsonaro’. Isso é absolutamente falso. Conversei com ele somente quatro vezes na minha vida. E duvido que ele tenha lido um só livro inteiro. Se ele tivesse lido com atenção, teve muita coisa que ele fez e não faria”, declarou o guru.

Na live estavam presentes outros nomes bolsonaristas como os ex-ministro Ricardo Salles e Abraham Weintraub. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo