Sociedade

Adolescente que planejava atentado em escola do Rio é internado provisoriamente

Intenção do jovem era atacar colegas no dia 20 de abril, quando o massacre de Columbine completa 24 anos

Proprietários de armas também poderão ser submetidos aos testes a qualquer tempo e sem aviso prévio. Imagem: Arquivo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

Um adolescente que planejava um atentado contra uma escola do Rio de Janeiro teve a internação provisória determinada pela Justiça na semana passada. O caso, porém, só veio à tona nesta terça-feira 28 com informações obtidas pelo jornal Folha de S. Paulo.

De acordo com a publicação, o jovem planejava atirar contra colegas de escola no Rio de Janeiro no dia 20 de abril, data em que o massacre de Columbine, nos Estados Unidos, completa 24 anos. O nome do colégio que era alvo do adolescente não foi revelado.

A determinação para internação partiu da juíza Vanessa Cavalieri, da Vara da Infância e Juventude do Rio, após a descoberta de um vídeo produzido e publicado pelo garoto em uma rede social. Na gravação, ele mostrava armas e revelava suas intenções.

O jovem foi localizado pela Polícia Federal com o auxílio da Interpol. A investigação partiu após alerta do Google, que identificou os riscos do ataque pelo vídeo publicado no Youtube.

A determinação da juíza também inclui operação de busca e apreensão nos endereços ligados ao adolescente. A intenção, neste caso, é recolher equipamentos eletrônicos que eram do suspeito. A quebra de sigilo dos dados e das comunicações do jovem também foi determinada.

O plano do atentado na escola do Rio de Janeiro reforça os alertas contra a escalada na violência em escolas brasileiras. Nesta segunda-feira, um adolescente de 13 anos matou uma professora a facadas. Ele ainda feriu outro colega de sala e mais três professoras. O caso aconteceu na escola estadual Thomazia Montoro, na Vila Sônia, em São Paulo. O autor do atentado foi contido, prestou depoimento na delegacia e está na Fundação Casa.

Assim como no caso fluminense, o atentado em SP teve como base um ataque anterior. Nas redes sociais, o autor das facadas fazia referências ao atentado em uma escola de Suzano, quando 8 pessoas foram mortas a tiros em uma escola. Seus perfis, inclusive, levavam o sobrenome do autor daquele atentado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo