Vacinação contra Covid-19 em SP começa em 25 de janeiro, anuncia Doria

Governo do estado confirma público-alvo da etapa inicial; imunizante ainda precisa ser aprovado pela Anvisa

FOTOS: DIVULGAÇÃO/GOVERNO DE SÃO PAULO

FOTOS: DIVULGAÇÃO/GOVERNO DE SÃO PAULO

Saúde

O governo de São Paulo anunciou nesta segunda-feira 7 o Plano Estadual de Imunização contra a Covid-19. A campanha terá início no dia 25 de janeiro, conforme informação divulgada pelo governador João Doria (PSDB). A gestão estadual também confirmou o público-alvo da primeira etapa do processo de imunização com a Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e pelo Instituto Butantan – a vacina ainda precisa obter aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

 

 

“A fase 1, que começa no dia 25 de janeiro, é a de imunização destinada a profissionais de saúde e pessoas com mais de 60 anos. A escolha do público-alvo levou em consideração a incidência de óbitos de coronavírus no estado de São Paulo – um total de 77% das mortes por Covid foram concentradas em pessoas acima de 60 anos. Além disso, serão imunizados todos os profissionais de saúde, que estão na linha de frente do combate à doença. São os nossos heróis”, disse Doria em entrevista coletiva concedida no Palácio dos Bandeirantes. Indígenas e quilombolas também fazem parte do público-alvo da 1ª fase.

O tucano confirmou que as vacinas serão aplicadas gratuitamente por meio do sistema público de saúde e que outros estados poderão solicitar doses da vacina Coronavac.

“O governo de São Paulo também vai disponibilizar para outros estados um total de 4 milhões de doses da vacina Coronavac, a partir de 25 de janeiro”, disse ainda o governador. Segundo ele, o objetivo é que os estados que solicitarem as vacinas “possam imunizar os profissionais de saúde”.

Doria ainda evitou um embate direto contra o Ministério da Saúde, mas voltou a criticar a projeção, anunciada pela pasta, de iniciar o processo de vacinação contra a Covid-19 apenas em março de 2021.

“Não estamos virando as costas para o Plano Nacional de Imunização, mas precisamos ser mais ágeis e, por isso, estamos nos antecipando. Por que iniciar a vacinação dos brasileiros em março se podemos fazer isso em janeiro?, perguntou, destacando que “milhões de vidas poderão ser salvas”. O governador paulista lembrou que “600 pessoas perdem suas vidas todos os dias no Brasil [por causa da Covid-19]” e que “a vacina não pode ser adiada”.

O cronograma apresentado na terça 1º pelo Ministério da Saúde prevê começar a vacinação em março do ano que vem, com fim previsto para o mês de dezembro. A pasta não trabalha com a previsão de imunizar toda a população em 2021.

O plano de vacinação na 1ª fase do governo de São Paulo tem duração projetada de 25 de janeiro a 28 de março (9 semanas) e prevê a aplicação de duas doses da vacina Coronavac por pessoa. No entanto, para que o imunizante passe a ser distribuído é necessário que ele seja aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A previsão do Instituto Butantan é de que a agência receba até o fim desta semana as informações e conceda a autorização para aplicação até a primeira semana de janeiro.

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor do site de CartaCapital. Twitter: leomiazzo

Compartilhar postagem