Vacina russa contra Covid-19 tem 92% de eficácia, diz instituto

Número foi calculado com base em 20 casos confirmados em voluntários que tomaram o imunizante e placebo

A vacina Sputnik V Foto: AFP PHOTO/Russian Direct Investment Fund / Handout

A vacina Sputnik V Foto: AFP PHOTO/Russian Direct Investment Fund / Handout

Saúde

A Rússia anunciou nesta quarta-feira 11 que o imunizante Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleia, é 92% eficaz contra a Covid-19.

 

 

De acordo com o comunicado do instituto, a eficácia foi calculada com base em 20 casos confirmados em voluntários que tomaram a vacina e o placebo, em uma primeira análise provisória obtida 21 dias após a primeira injeção.

Os resultados iniciais são apenas os segundos a serem publicados a partir de um teste em humanos em estágio final.

A fase 3 de testes ocorre em 29 clínicas em Moscou e envolve 40 mil voluntários no total, com um quarto recebendo uma injeção de placebo.

“Estamos mostrando, com base nos dados, que temos uma vacina muito eficaz”, disse o chefe do Fundo Russo de Investimento Direto( RDIF), Kirill Dmitriev.

O fundo disse que o estudo russo continuaria por mais seis meses e que os dados do estudo também serão publicados em um importante jornal médico internacional após uma revisão por pares.

A Rússia registrou sua vacina Sputnik V para uso público em agosto, o primeiro país a fazê-lo, embora a aprovação tenha ocorrido antes do início do ensaio em grande escala em setembro.

(Com informações da Reuters)

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem