Vacina de Oxford chega ao Brasil apenas em janeiro, diz Pazuello

Serão entregues 30 milhões de doses do imunizante; vacinação só começará após certificação da Anvisa

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Foto: Erasmo Salomão/MS

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Foto: Erasmo Salomão/MS

Saúde

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que a entrega da vacina da Covid-19 produzida pela Universidade de Oxford foi adiada para janeiro de 2021. A declaração ocorreu durante entrevista à CNN Brasil nesta sexta-feira 2.

 

O cronograma anterior previa a entrega de 15 milhões de doses em dezembro e mais 15 milhões em janeiro. No entanto, o ministro confirmou que as 30 milhões de doses serão disponibilizadas em conjunto no ano que vem.

“A entrega inicial da vacina de Oxford ficou para a partir de janeiro, e na sequência, 70 milhões de insumos de farmacológicos para que nós fabricássemos pela Fiocruz. Há uma cláusula no contrato permitindo o adiantamento das fases, mas vai depender do desenvolvimento”, disse o ministro.

Uma vez aprovada a vacina com registros internacionais, disse Pazuello, cabe à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) certificá-la no Brasil. Quanto à velocidade e à aceleração das fases do registro, o ministro ainda espera a posição da Anvisa.

A campanha de vacinação contra a Covid-19 pode começar logo depois da certificação da Anvisa. O militar assegurou que as vacinas serão disponibilizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para “todos os brasileiros”.

Na quinta-feira 1, a Anvisa comunicou que adiantou a análise do pedido de registro da vacina de Oxford, primeira a ser submetida em um procedimento novo de regulação, chamado de “submissão contínua”. Em nota, a Anvisa afirmou que o plano de aceleração do registro “não afeta em nada o padrão de qualidade requerido”.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem