Saúde

Saúde privada em baixa

A ANS suspendeu a comercialização de 301 planos de saúde de 38 operadoras por reclamações de usuários

Apoie Siga-nos no

A partir da sexta-feira 5, a comercialização de 301 planos de saúde de 38 operadoras estará suspensa por três meses. Os planos tiveram os piores resultados na análise das reclamações de usuários a respeito da demora no atendimento médico. Segundo a norma da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o prazo limite para atendimento de uma consulta básica é de sete dias. Dados apresentados pela ANS mostram que as reclamações de usuários subiram entre os três ciclos de avaliação efetuados pelo órgão. De janeiro a março houve 2,9 mil reclamações.

No trimestre seguinte, 4,6 mil. No último, 10.144. O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que a suspensão da venda dos planos tem caráter “pedagógico” e instou os consumidores a reclamar dos serviços ruins.

A partir da sexta-feira 5, a comercialização de 301 planos de saúde de 38 operadoras estará suspensa por três meses. Os planos tiveram os piores resultados na análise das reclamações de usuários a respeito da demora no atendimento médico. Segundo a norma da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o prazo limite para atendimento de uma consulta básica é de sete dias. Dados apresentados pela ANS mostram que as reclamações de usuários subiram entre os três ciclos de avaliação efetuados pelo órgão. De janeiro a março houve 2,9 mil reclamações.

No trimestre seguinte, 4,6 mil. No último, 10.144. O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que a suspensão da venda dos planos tem caráter “pedagógico” e instou os consumidores a reclamar dos serviços ruins.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.