Saúde

Niterói e São Gonçalo são primeiras cidades do RJ a entrarem em lockdown

Estudos da UFRJ e da Fiocruz recomendam que todo o estado adote medidas mais restritivas de circulação, conhecidas como lockdown

(Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
(Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
Apoie Siga-nos no

O estado do Rio de Janeiro amanheceu com duas cidades em regime de lockdown nesta segunda-feira 11 – uma medida de restrição absoluta para conter o avanço da propagação do coronavírus em locais de contágio descontrolado. Niterói e São Gonçalo foram os dois primeiros municípios a adotarem o regime no RJ, que dura até a sexta-feira 15 em um primeiro momento.

No Brasil, sete estados já possuem cidades com o lockdown instaurado – Pará (10), Maranhão (4), Amazonas, Ceará, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais (todos com 1) -, constando entre elas três capitais, como Belém, São Luís e Fortaleza.

Medidas como essa foram adotadas nas cidades da Itália, França, Reino Unido, China e Estados Unidos nos momentos dos índices mais mortais da pandemia. Ao longo da semana, o Brasil viu números confirmarem mais 751 vidas perdidas para a batalha da covid-19 em apenas 24h. A cifra dos 10 mil mortos colocou o País em uma lista seleta de nações que viveram – e ainda vivem – essa tragédia.

 

Diferente da quarentena, que já determina o fechamento dos estabelecimentos não-essenciais, restringem a circulação de pessoas e torna obrigatório o uso de máscara em todos os ambientes, incluindo transporte e vias públicas, o lockdown é mais incisivo ao multar pessoas que desrespeitem as orientações.

A UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) já chegou a recomendar, por meio de um grupo de estudos, que todo o estado do Rio adota medidas mais restritivas de circulação.

Entre as justificativas que embasaram a recomendação estão experiências internacionais e projeções modeladas nos grupos científicos da UFRJ que alertam sobre a possibilidade de colapso no sistema de saúde, dentro de pouco tempo, provocado pelo aumento de casos de covid-19.

“Pessoas que estejam nas ruas, praias e praças públicas, com exceção para casos de deslocamento por força de trabalho, ida aos serviços essenciais e estabelecimentos autorizados a funcionar, como supermercados e farmácias, poderão ser multadas em R$ 180. O valor dobra em caso de reincidência”, diz a Prefeitura de Niterói em um comunicado.

Entre os serviços essenciais, estão supermercados, padarias, postos de combustíveis, farmácias e petshops, todos funcionando sem aglomeração e atendimento dentro dos estabelecimentos. No caso de Niterói, há também a previsão de que os leitos com respiradores na rede pública e privada aumentem em 40% até o dia 16 de maio.

Veja quais são as restrições e recomendações específicas para Niterói e São Gonçalo.

Giovanna Galvani

Giovanna Galvani
É repórter do site de CartaCapital.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.