Saúde

Ministério se corrige e diz que 1º caso de coronavírus foi em março

Pasta havia declarado que caso pioneiro no Brasil ocorreu em janeiro, mas voltou atrás e afirmou que houve erro

Foto: DANIEL LEAL-OLIVAS/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministério da Saúde corrigiu a informação que deu na quinta-feira 2, de que o primeiro caso de coronavírus teria ocorrido em 23 de janeiro. A pasta informou que o paciente começou a apresentar os sintomas em 25 de março.

Segundo o ministério, a Secretaria de Saúde de Minas Gerais errou ao repassar a informação. O caso trata de um paciente de 75 anos que morreu no estado mineiro, após contrair o novo coronavírus em outro país.

“O ministério da Saúde foi comunicado pela Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais nesta sexta-feira 3 sobre a conclusão de investigação do possível primeiro caso de covid-19 no Brasil. A informação de início dos sintomas foi alterada de 23/1/2020 para 25/3/2020. Os dados no sistema de notificação estão sendo atualizados”, diz a nota do ministério da Saúde.

A pasta explicou que está fazendo uma investigação retroativa de casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) e que estão sendo analisadas amostras de todas as semanas anteriores.

A notícia sobre o primeiro caso da doença ter ocorrido em janeiro contradisse a informação oficial de que o primeiro registro foi feito em São Paulo, no mês de fevereiro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo