Mandetta anuncia hospital de campanha com atendimento prioritário a indígenas em Manaus

Amazonas é o estado com mais mortes na região Norte, segundo o Ministério da Saúde

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Política,Saúde

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, anunciou que o governo federal vai construir um hospital de campanha em Manaus, capital do Amazonas. Segundo o Ministério, o estado amazonense tem a maior letalidade por coronavírus da região Norte, com 50 mortes e 981 contaminações, conforme atualização da sexta-feira 10.

A declaração ocorreu durante visita a uma obra de um hospital na cidade de Águas Lindas, no interior do estado de Goiás. Em entrevista à imprensa, ele explicou que o hospital em Manaus terá atenção especial à população indígena.

“Manaus é uma cidade que está entrando em colapso. Então, nós vamos ter que fazer um [hospital] lá. Nós temos, lá, comunidades indígenas extensas”, afirmou.

Mandetta disse ainda que o hospital inaugurado em Águas Lindas é um “piloto” dos federais, porque fica mais próximo de Brasília e, portanto, há maior facilidade de fazer acompanhamento técnico. O custo do empreendimento é de 10 milhões de reais, de acordo com o Ministério da Saúde.

Segundo o ministro, havia uma obra parada por 20 anos no local, então eles aproveitaram para instalar ali um espaço e, assim, criar um parâmetro orçamentário e estrutural para o resto do país.

Ao visitar a obra, Mandetta se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), entre outras autoridades públicas. Na ocasião, Bolsonaro voltou a desrespeitar as recomendações oficiais da Organização Mundial da Saúde (OMS) e provocou aglomerações na rua, com apoiadores.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem