Fiocruz: sistema de saúde do Rio ‘volta a apresentar sinais de colapso’

Taxa de óbitos em casa no mês de novembro supera registro do pico da pandemia na cidade

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Saúde

Nota técnica divulgada pelo grupo de estudo Monitora Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), aponta que o sistema de saúde da cidade do Rio de Janeiro “voltou a apresentar sinais de colapso”.

 

 

Na terça-feira 1º, o diretor da Associação de Hospitais Privados do Rio, Graccho Alvim, informou que chega a 98% a taxa de ocupação de leitos de UTI na rede privada do município. Também na terça, a Prefeitura do Rio informou que a taxa de ocupação na rede SUS é de 91%; nos leitos de enfermaria, 81%.

No contexto da pandemia do novo coronavírus, o Monitora Covid-19 comparou os dados sobre mortes em domicílio na capital fluminense até o dia 20 de novembro com os três anos anteriores. Segundo o grupo, a proporção de óbitos em casa é de 15%, ante menos de 13% no período anterior. Além disso, a proporção registrada em novembro supera a verificada no pico da disseminação de Covid-19.

“Nos anos anteriores, havia uma média de 12,7% de óbitos que ocorriam nos domicílios. Esse padrão foi ultrapassado de março a maio de 2020. De maio a outubro houve uma redução do indicador, mas em outubro e novembro os valores voltaram a subir, chegando a 15% em novembro, o que pode demonstrar a incapacidade de diagnóstico e de internação de casos graves, tanto de doenças crônicas, quanto de Covid-19”, diz trecho da nota técnica do grupo da Fiocruz.

O Monitora Covid-19 também indicou que do total de mortes por coronavírus na cidade do Rio de Janeiro, apenas 40% se deram comprovadamente em leitos de UTI.

“Do total de óbitos por Covid-19 ocorridos e registrados no SIVEP-Gripe, 40,5% (5.107 óbitos) ocorreram dentro de uma UTI, 27% (3.434 óbitos) fora de uma UTI, e incríveis 32,5% (4.065 óbitos) não apresentam informação se o óbito ocorreu dentro ou fora de uma UTI. É muito provável que a maior parte dos casos sem registro de informação de UTI tenha ocorrido fora de uma UTI. Considerando isso, conclui-se que provavelmente mais da metade da população que veio a óbito por Covid-19 no município sequer teve a chance de receber atendimento intensivo”, apontam os especialistas.

“Mesmo dentre os casos de Covid-19 que foram internados em hospitais, a maior parte ocorreu fora de UTIs. Esse padrão permanece alto, mostrando a incapacidade de atender a casos graves da doença no município. Esses números mostram que o sistema de saúde da cidade do Rio de Janeiro voltou a apresentar sinais de colapso, tanto para as causas de mortalidade diretamente, quanto para as indiretamente relacionadas à epidemia de Covid-19”, reforça o grupo.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem