Saúde

Estados registram aumento de 85% no número de crianças com Covid-19 internadas em UTIs

Unidades da federação com maior crescimento foram Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Alagoas

(Foto: Mauricio Vieira / Arquivo / Secom Governo de SC)
(Foto: Mauricio Vieira / Arquivo / Secom Governo de SC)
Apoie Siga-nos no

Dados enviados por 14 estados mostram que em pelo menos nove deles houve aumento na quantidade de internações de crianças com Covid-19 em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) em um mês. Nos últimos dias de dezembro, havia 39 brasileiros de 0 a 11 anos contaminados pelo coronavírus em UTIs. Ontem, eram 72, um aumento de 85%.

Ao todo, 21 unidades da federação enviaram os números solicitados pelo GLOBO: nove relataram aumento (Alagoas, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais), três ficaram estáveis (Acre, Tocantins e Piauí), dois tiveram queda (Paraná e Pará) e sete passaram dados incompletos, que não permitem fazer a comparação. São eles: Rio de Janeiro, São Paulo, Distrito Federal, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. As secretarias de saúde dos demais estados ainda não responderam.

Amazonas registrou o maior aumento. No final de dezembro, não havia nenhuma criança internada em UTI. Ontem, eram nove. Mato Grosso também está entre as unidades da federação que apresentam aumento relevante: de um caso para cinco em um mês. Outro estado com aumento expressivos foi Alagoas, em que as internações triplicaram, passando de três para nove. No Acre e Tocantins, nenhuma criança foi internada neste período.

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas também mostrou números de janeiro do ano passado, quando o estado foi duramente atingido pela segunda onda da pandemia. Na época, a situação era pior, com 16 crianças internadas em leitos de UTI.

O Pará, por outro lado, seguiu caminho inverso, com três internações em dezembro e uma em janeiro. Isso condiz com o monitoramento feito pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que leva em conta a ocupação de leitos de UTI para adultos. O Pará estava em situação crítica em termos de ocupação de leitos no começo de dezembro, mas o cenário melhorou, embora ainda haja casos.

Outros sete estados passaram dados incompletos que não permitem comparação. O Rio de Janeiro informou que tem 17 crianças internadas com Covid, mas não disse quantas eram há um mês. O estado de São Paulo também não divulgou os números. Em nota, informou apenas que conta com cerca de 430 leitos, dos quais 60% estão ocupados.

O Rio Grande do Norte informou que existe um aumento na procura por leitos de UTI pediátrica para Covid, e conta com 100% de ocupação, o que não ocorria há um mês. Sem informar o número de crianças desta faixa etária internada, a secretaria estadual garantiu que “há um esforço” para ampliação do atendimento.

O DF informou ter sete crianças internadas ontem, mas não passou dados de quantas eram há um mês. Santa Catarina disse que dos cinco leitos neonatais, dois estão com pacientes com Covid-19 e três com outras enfermidades. Dos 16 leitos pediátricos, três são ocupados por crianças com a doença. Com isso, são cinco crianças internadas no total em razão da Covid-19.

O painel do governo do Rio Grande do Sul mostra 38 internações em UTI pediátrica, mas segundo a Secretaria de Saúde local, esses leitos, dependendo do caso, podem receber pacientes de outras faixas etárias. Além disso, não há dado de quantas internações havia há um mês.

Pernambuco disse contar com 66 leitos de UTI para bebês e crianças de até 14 anos com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), que pode ser provocada pela Covid-19 e outras doenças. Disso, 88% estão ocupados, o que dá 58 internações. O estado não informou quantas crianças estavam internadas há um mês. A Secretaria de Saúde disse que, nos próximos dias, deve abrir 20 novos leitos de UTI pediátrica.

Agência O Globo

Agência O Globo
Agência de notícias e de fotojornalismo do Grupo Globo.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.