Saúde

DF e 7 estados apresentam tendência de queda nos casos de dengue

Em sete estados, ainda há tendência de aumento. Os demais têm um cenário de estabilidade

Foto: Paulo Pinto/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O Ministério da Saúde informou nesta terça-feira 2 que oito unidades federativas apresentam tendência de queda consolidada no número de casos de dengue: Acre, Amazonas, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Piauí, Roraima e Distrito Federal.

“Os estados que estão com queda foi onde houve o início da epidemia. Para esses, a gente pode dizer que o pior já passou”, disse a secretária de Vigilância em Saúde e Ambiente do ministério, Ethel Maciel, em coletiva de imprensa.

Outros sete estados ainda permanecem com tendência de aumento: Alagoas, Bahia, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe. Os 12 estados restantes mostram uma tendência de estabilidade.

Apesar do cenário, o Ministério da Saúde diz ser necessário manter a vigilância contra a doença. “Ainda requer atenção, precisamos que as pessoas continuem dedicando dez minutos contra a dengue, olhando os possíveis focos da larva. Ainda é momento de acompanhamento”, alertou a secretária.

Ela também apelou para que pais e mães levem seus filhos para se vacinar nos municípios onde a imunização está disponível.

Desde o início do ano, foram registradas 991 mortes por dengue em todo o País. Estão em investigação 1.483 óbitos.

O número de casos prováveis da doença chegou a 2.624.300. Há 24.218 casos de dengue grave e com sinais de alarme.

De acordo com balanço divulgado pelo ministério, o coeficiente de incidência da doença está em 1.292,4 casos para cada grupo de 100 mil habitantes.

(Com informações da Agência Brasil)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo