China libera 5,4 mil litros de insumos para vacina, diz Bolsonaro

Comunicado é feito após atraso na entrega da matéria-prima para produção dos imunizantes

O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Saúde

A China liberou 5,4 mil litros de insumos para as vacinas da Sinovac/Butantan, segundo informou o presidente Jair Bolsonaro nesta segunda-feira 25. A previsão é de que o material chegue ao Brasil nos próximos dias. A liberação dos insumos da vacina de Oxford/AstraZeneca estaria “sendo acelerada”.

 

 

 

O comunicado veio da embaixada da China e foi publicado nas redes sociais de Bolsonaro. O presidente escreveu uma mensagem de agradecimento ao governo chinês e aos ministros Ernesto Araújo, Eduardo Pazuello e Tereza Cristina. Em resposta, o embaixador Yang Wanming escreveu que “a China está junto com o Brasil na luta contra a pandemia e continuará a ajudar o Brasil neste combate dentro do seu alcance”.

 

 

O informe ocorre após a China atrasar o fornecimento da matéria-prima para a produção das vacinas, chamada de Insumo Farmacêutico Ativo. Diante da demora, aumentaram especulações sobre problemas diplomáticos entre a China e o Brasil, já que o governo Bolsonaro desferiu ataques diretos ao país asiático. No entanto, Ernesto Araújo negou problemas com os chineses e culpou a “alta demanda” pelos produtos.

A falta de insumos virou tema de ofício de procuradores do Ministério Público a Augusto Aras, em que pediram pressão para que o Ministério da Saúde e o Ministério das Relações Exteriores informassem as medidas adotadas para garantir o material.

Houve esforços para além do Itamaraty para interceder junto ao governo chinês. Entraram nas negociações o Instituto Butantan, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o ex-presidente Michel Temer (MDB), parlamentares e até as centrais sindicais.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem