Saúde

Brasil tem 1.212 óbitos em 24h e passa dos 92 mil mortos por covid-19

País registra mais de 2,6 milhões de casos confirmados, segundo o Conass

 Foto: Alex Pazuello/Semcom
Foto: Alex Pazuello/Semcom

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) registrou 1.212 mortes e 52.383 contaminações por coronavírus nas últimas 24 horas, segundo atualização desta sexta-feira 31. O total já chega a 92.475 óbitos e 2.662.485 casos confirmados.

Os brasileiros ocupam a vice-liderança nos rankings mundiais de mortes e de infecções por covid-19, segundo contagem da Organização Mundial da Saúde (OMS). Os Estados Unidos estão no topo das duas listas, com mais de 150 mil mortes e 4,3 milhões de contágios.

São Paulo é o estado mais afetado, com 22.997 óbitos e 542.304 casos confirmados. O 2º maior número de mortes está no Rio de Janeiro, que contabiiza 13.477 mortes e 165.495. Ceará e Bahia ultrapassaram o Rio de Janeiro no número de casos confirmados.

 

Há mais de dois meses, o Ministério da Saúde está sem um chefe definitivo. Desde que Nelson Teich pediu demissão, em 15 de maio, a pasta é comandada de forma interina pelo general Eduardo Pazuello.

O próprio presidente Jair Bolsonaro foi infectado pelo coronavírus, mas agora diz que não está mais com a doença. Nesta sexta-feira 31, cumpriu agenda no Rio Grande do Sul, onde voltou a minimizar a pandemia e fez campanha pelo uso da cloroquina contra a covid-19, apesar de o medicamento não ter eficácia comprovada contra a doença.

Na quinta-feira 30, Bolsonaro esteve em estados da região Nordeste e dispensou o uso de máscara.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!