Saúde

Brasil registra maior média móvel de casos desde o início da pandemia

Por outro lado, o isolamento social caiu ao menor nível desde abril; País tem 186.365 mortes e 7.212.670 de infecções

Ladeira Porto Geral esquina com rua 25 de março, maior shopping aberto do mundo, com grande aglomeração de pessoas em 2021. (Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas) Ladeira Porto Geral esquina com rua 25 de março, maior shopping aberto do mundo, com grande aglomeração de pessoas. (Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas)
Ladeira Porto Geral esquina com rua 25 de março, maior shopping aberto do mundo, com grande aglomeração de pessoas em 2021. (Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas) Ladeira Porto Geral esquina com rua 25 de março, maior shopping aberto do mundo, com grande aglomeração de pessoas. (Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas)

O Brasil registrou, nos últimos sete dias, a maior média móvel de casos confirmados de Covid-19 desde o início da pandemia. Ao todo, foram 47.439 diagnósticos diários e média, de acordo com dados das secretarias estaduais de Saúde consolidados pelo consórcio de veículos de imprensa.

O número variou +15% em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica tendência de estabilidade nos diagnósticos.

No sábado, o País também registrou 678 mortes pela Covid-19 e chegou a 186.365 óbitos desde o começo da pandemia.

A média móvel de mortes no Brasil na última semana foi de 746. A variação foi de +27% em comparação à média de 14 dias atrás, o que indica tendência de alta nos óbitos pela doença.

Isolamento social cai

Pesquisa Datafolha divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo mostra que o número de pessoas em isolamento recuou ao menor nível desde o início da pandemia. O instituto começou a fazer o levantamento em abril.

Segundo o levantamento, em dezembro,  7% dos entrevistados disseram que estão vivendo normalmente, sem mudar em nada sua rotina, e 54% afirmaram que estão tomando cuidado, mas saem de casa para trabalhar ou fazer outras atividades. Em 3 de abril, no começo da pandemia, esses números eram de 4% e 24%, respectivamente.

Os que se disseram completamente isolados em dezembro foram 5% dos entrevistados. O recorde havia sido de 21% em 17 de abril. E os que dizem que só saem de casa quando é inevitável, hoje em 34%, haviam chegado a 54% no começo de abril.

Os níveis de isolamento aferidos pelo instituto começam a cair a partir de maio.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!