Política

Bolsonaro ironiza infecções: “Brasileiro pula em esgoto e não pega nada”

‘Não pega nem leptospirose’, disse presidente, em declaração sobre coronavírus

O presidente Jair Bolsonaro, ao lado do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. Foto: Reprodução
O presidente Jair Bolsonaro, ao lado do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. Foto: Reprodução

Em alusão à infecção pelo novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro disse que o brasileiro “tem que ser estudado” porque pula em esgotos e “não pega nada”. A declaração ocorreu nesta quinta-feira 26, durante coletiva à imprensa no Palácio da Alvorada em Brasília. Em seguida, ele repetiu a declaração em transmissão ao vivo pelas redes sociais.

Acompanhado do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, Bolsonaro incentivava o uso de cloroquina como alternativa para tratar pacientes graves de coronavírus. Depois, ironizou a crise.

“Eu fiz uma brincadeira, né, que o brasileiro tem que ser estudado. A gente vê, às vezes, em certas comunidades, dá uma chuva e o cara fica pulando no rio ali junto com o esgoto e o cara não pega nada. Nem leptospirose ele pega, não pega nada. Mas tudo bem”, afirmou.

Bolsonaro voltou a acusar a imprensa de ter plantado “histeria” no Brasil em função da pandemia. Em certo momento, disse que esqueceu o nome do novo vírus e pediu para que um assistente o relembrasse.

Ele também defendeu, novamente, o fim dos isolamentos em massa e defendeu o isolamento vertical, ou seja, a restrição de circulação apenas para os grupos de risco. A proposta é vista de forma crítica pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que afirmou que o governo, até agora, não propôs uma forma para proteger os idosos do contágio através de jovens que voltem à normalidade.

“Essa história de que ‘ninguém vai, vale para todo mundo’, tá chegando no desemprego”, disse. “Essa neurose de fechar tudo não está dando certo.”

Bolsonaro comparou ainda o isolamento em massa a um tratamento de quimioterapia que mata a própria vítima de câncer.

“Dá o equipamento de quimioterapia, eu queimo tudo, célula boa, célula ruim. O que acontece? Fica pior. É o que tá fazendo. Para combater o vírus, estão matando o paciente. Aí o pessoal fala: ah, o cara tá preocupado mais com a economia do que com a vida. Meu amigo, sem grana, tu morre de fome, cara. Morre de depressão, suicídio”, disse.

O presidente segue fazendo declarações em que menospreza a pandemia. Nesta semana, chamou a doença de “gripezinha” durante pronunciamento em cadeia nacional e pediu o fim da quarentena. No dia seguinte, o próprio ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, ajustou o seu discurso e disse que vê “grande colaboração” na preocupação exposta pelo presidente da República.

Posted by Jair Messias Bolsonaro on Thursday, March 26, 2020

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!