Política

Anvisa reprova pedidos de importação da Sputnik V

A decisão foi tomada em reunião extraordinária nesta segunda-feira 26; a agência citou possíveis riscos à saúde e falta de documentação

A vacina Sputnik V. Foto: Oliver Bunic/AFP
A vacina Sputnik V. Foto: Oliver Bunic/AFP

A diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária rejeitou nesta segunda-feira 26 os pedidos de importação da vacina Sputnik V, da Rússia, apresentados por estados.

O relator, Alex Machado Campos, foi o primeiro diretor a se manifestar. Ele negou as solicitações e foi seguido por todos os colegas.

Ao todo, 14 estados solicitaram a importação, mas a agência se debruçou sobre o pedido de cerca de 30 milhões de doses por 10 estados: Bahia, Acre, Rio Grande do Norte, Maranhão, Mato Grosso, Piauí, Ceará, Sergipe, Pernambuco e Rondônia.

Antes de os diretores votarem, os gerentes da Anvisa já havia recomendado a reprovação da importação da Sputnik V. Eles citaram possíveis riscos à saúde e ausência de documentação para justificar a negativa.

Segundo o gerente-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da agência, Gustavo Mendes, o imunizante se baseia em um tipo de vírus que se replica no organismo. “Isso significa que o vírus que deve ser utilizado apenas para carregar material genético do coronavírus para as células humanas e, assim, promover a resposta imune, ele mesmo se replica, e isso é uma não conformidade grave”, argumentou.

Para a gerente-geral de Fiscalização, Ana Carolina Marino, também pesa a falta de relatórios de agências reguladoras estrangeiras que atestem a segurança e a eficácia da vacina. “Nós não tivemos sucesso na obtenção desses relatórios com as informações necessárias”.

De acordo com o relator, o diretor Alex Machado Campos, há um “mar de incertezas”.

“Os dias de ‘sim’ à vacina e aos medicamentos são comemorados. Nós comemoramos sempre. Ocorrerão, conduto, inevitavelmente, dias de ‘não’. E eles necessariamente traduzirão o que a razão de existir da Anvisa pode traduzir, que é proteger a saúde da população”, avaliou.

Nesta segunda, o Instituto Gamaleya, da Rússia, responsável pelo desenvolvimento da Sputnik V, usou as redes sociais para defender a aprovação do uso da vacina no Brasil.

“Prezada Anvisa, não temos tempo a perder – deixe-nos começar a salvar vidas no Brasil. Juntos. A Sputnik V foi autorizada em 61 países com uma população de mais de 3 bilhões de pessoas”, diz a publicação.

O instituto também argumentou que “testes clínicos em 5 países e vacinação no mundo real em mais de 40 países mostraram que a Sputnik é uma das vacinas mais seguras e eficientes do mundo. México, Argentina, Hungria e outros compartilharam publicamente dados de que a Sputnik V é a escolha mais segura”.

O Gamaleya ainda garantiu ter compartilhado com a Anvisa “todas as informações e documentações necessárias, muito mais do que o utilizado para homologar a Sputnik V em 61 países”. E fez um apelo: “Esperamos que a ciência, e não a pressão de outro país, seja usada para a tomada de decisão”.

Alguns estados também protocolaram no Supremo Tribunal Federal pedidos de importação da vacina russa. É o caso de Amapá, Ceará, Maranhão e Piauí. Mais cedo nesta segunda, o ministro Ricardo Lewandowski, do STF, havia negado um pedido da Anvisa para suspender o prazo para análise da importação da Sputnik V. Lewandowski determinou que a agência se manifestasse até 28 de abril sobre o pedido do Maranhão. Decisões semelhantes foram tomadas no âmbito de demandas de outros estados.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!