Saúde

A meta da OMS de vacinar 70% do mundo até junho ainda é realista?

Embora aumentar a imunidade globalmente continue sendo essencial, o número não é alcançável nem significativo, dizem especialistas

Vacinação no Sri Lanka, na Ásia.

Foto: ISHARA S. KODIKARA / AFP
Vacinação no Sri Lanka, na Ásia. Foto: ISHARA S. KODIKARA / AFP
Apoie Siga-nos no

Vacinar 70% da população em todos os países do mundo contra a Covid-19 até meados de 2022 tem sido o grito de guerra da Organização Mundial da Saúde (OMS) para acabar com a pandemia. Mas, recentemente, especialistas em saúde pública dizem que, embora aumentar a imunidade globalmente continue sendo essencial, o número não é alcançável nem significativo.

O objetivo sempre foi ambicioso: atualmente, apenas 12% das pessoas em países de baixa renda tiveram uma chance, de acordo com Our World In Data. As metas anteriores estabelecidas pela OMS – atingir 10% até setembro de 2021, por exemplo – também foram perdidas.

A chefe de imunização da OMS, Kate O’Brien, disse que 70% permanecem mais do que apenas um “grito de guerra”, embora alguns países bem equipados com muitas vacinas também tenham lutado para alcançá-lo.

— Estamos pedindo que os países sejam sérios sobre suas ações para atingir essa meta, embora reconheçamos que pode haver uma razão pela qual essa meta não seja especificamente adequada para determinado país — disse ela à Reuters.

Gavi, the Vaccine Alliance — parceira da OMS na iniciativa COVAX destinada a levar vacinas aos mais pobres do mundo — recuou do foco de 70% como parâmetro único.

Em um briefing virtual na semana passada com a OMS África, Aurelia Nguyen, diretora-gerente da COVAX na Gavi, disse que era importante “cumprir as metas que os países estabeleceram para si mesmos, seja de acordo com a meta de 70% da OMS ou uma meta menor ou um alvo mais alto.”

As reservas sobre a meta de 70% são mais um sinal de que acabar com a pandemia globalmente pode ser um desafio mais complicado e mais longo do que muitos esperavam.

Documentos de uma reunião interna de alto nível da ONU realizada no início deste mês, revisados ​​pela Reuters, mostraram oito países que eram extremamente improváveis ​​​​de atingir a meta até junho de 2022 e foram identificados para “foco imediato”: Afeganistão, República Democrática do Congo, Etiópia, Gana, Quênia, Nigéria, Serra Leoa e Sudão. Outros 26, incluindo Iêmen, Uganda e Haiti, também precisam de “apoio concentrado”, disse o documento.

No entanto, há um problema maior que a OMS está se concentrando em O’Brien, disse.

— A questão aqui e agora, com a Ômicron destruindo a população ao redor do mundo e continuando a fazer isso… 70% ainda se mantém? — questionou.

O número nunca foi um “número mágico”, disse ela, mas apenas uma avaliação de risco, algo a ser almejado que poderia — otimistamente — manter o vírus sob controle.

Mas novas evidências mostrando que as vacinas têm apenas um impacto limitado na transmissão, juntamente com a capacidade da variante Ômicron de infectar pessoas previamente vacinadas ou infectadas, sugere que atingir esse nível de imunidade da população e, portanto, impedir a propagação do vírus é uma esperança que está desaparecendo.

— Estamos analisando cenários de como a pandemia pode se desenrolar — disse O’Brien. — Obviamente em todos os cenários, o papel das vacinas, a meta dos 70%, a meta de redução da transmissão, teria que ser avaliado.

Por exemplo, estabelecer metas mais altas entre os grupos de risco pode ser importante para evitar hospitalizações e mortes, acrescentou. Mas alguns especialistas em saúde pública disseram que o alvo inicial agora era amplamente simbólico.

Edward Kelley, ex-diretor de serviços de saúde da OMS e agora oficial de saúde global da ApiJect, disse que os 70% foram baseados no que a ciência disse ser necessário para gerenciar a transmissão, ideia que foi eliminada pela Ômicron.

— É claro que precisamos continuar aumentando os níveis de imunidade em todos os lugares — disse ele. — Mas a meta está sendo mantida no momento porque a comunidade internacional não tem mais nada a que se agarrar.

Agência O Globo

Agência O Globo
Agência de notícias e de fotojornalismo do Grupo Globo.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.