Política

Zanin determina abertura de inquérito contra Quaquá por tapa em deputado bolsonarista

Episódio aconteceu durante a sessão solene de promulgação da reforma tributária no plenário da Câmara, em dezembro

Frente Parlamentar de Recursos Naturais e Energia (FPRNE) realiza reunião para instalação e eleição da Comissão Executiva e deliberação do Estatuto. Em pronunciamento, à bancada, deputado Washington Quaquá (PT-RJ). Foto: Roque de Sá/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal, abriu inquérito para investigar o deputado federal Washington Quaquá (PT-RJ) por ter agredido com um tapa o seu colega Messias Donato (Republicanos-ES). A decisão foi assinada nesta segunda-feira 8.

Além disso, o magistrado concordou com a posição da Procuradoria-Geral da República e determinou que o YouTube mantenha no ar um vídeo que registra a agressão. O prazo para conclusão do inquérito é de 60 dias.

Depois desta etapa, a Polícia Federal deve apresentar um relatório. Na sequência, a PGR decide se apresenta ou não denúncia contra Quaquá com base nas conclusões da investigação.

“As diligências requeridas mostram-se necessárias para elucidar as condutas descritas no pedido de instauração do caderno investigatório, motivo pelo qual devem ser deferidas de imediato”, escreveu Zanin.

episódio aconteceu durante a sessão solene de promulgação da reforma tributária no plenário da Câmara, em dezembro. Logo após a briga, Quaquá disse a CartaCapital que a confusão ocorreu após ser chamado de “ladrão” pelo deputado bolsonarista Nikolas Ferreira (PL-MG).

Ele também afirmou não tolerar o comportamento de bolsonaristas contra Lula. “Se me agredir, eu agrido eles. Os bolsonaristas estão acostumados a querer dar uma de machão e bater nos outros. Comigo a porrada canta“, acrescentou.

Os vídeos que circularam à época nas redes sociais mostram um tumulto no plenário da Câmara e o deputado petista indo para a frente de Donato, sem que outros parlamentares pudessem impedi-lo. Agentes da Polícia Legislativa precisaram intervir para evitar novos conflitos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo