Vaza Jato: Dallagnol se articulava com movimentos de rua da direita

Em troca de mensagens, procuradores deixaram explícitos os posicionamentos políticos: 'colocava todos na barraca e metralhava'

Foto: Vladimir Platonow/ Agência Brasil

Foto: Vladimir Platonow/ Agência Brasil

Política

Deltan Dallagnol se articulou com movimentos sociais, como o ‘Vem pra Rua’ e o ‘Instituto Mude – Chega de Corrupção’, para pressionar a manifestação política das entidades de acordo com os interesses da Lava Jato. A informação foi revelada em mais um vazamento de mensagens do aplicativo Telegram, em reportagem do site The Intercept Brasil, e aconteceu em mais de uma ocasião, como após a morte do ex-ministro do Supremo, Teori Zavascki, e na especulação da indicação do então presidente Michel Temer para a procuradoria-geral da República.

No caso da vaga deixada por Zavascki, a relatoria dos processos da Lava Jato ficou em branco. Como ele era da 2ª Turma do STF, o futuro relator também deveria ser, mas nenhum agradava aos procuradores de Curitiba. Por isso, começaram a articular uma pressão para a escolha da Luis Roberto Barroso ou de Edson Fachin, com a preferência pelo primeiro – com o qual Deltan Dallagnol chegou até a falar pessoalmente sobre.

No mesmo dia, Deltan Dallagnol procurou a coordenadora do Mude, Patrícia Ferhmann, para pedir o compartilhamento de um texto que atacava Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes como um perigo para a Lava Jato na Suprema Corte. “Só não me citem como origem, para evitar melindrar STF”, orientou Dallagnol. Ela o seguiu de pronto: o texto encaminhado foi publicado nas redes sociais.

Quando Alexandre de Moraes assumiu o antigo posto de Zavascki, logo em seguida se especulava sobre uma provável prisão de Lula e da interpretação de que a condenação só poderia ser efetiva após passar pela terceira instância – o Superior Tribunal de Justiça. Isso acirrou os ânimos de Dallagnol, que voltou a articular com os movimentos de direita uma nova campanha de pressão: eles queriam que Alexandre de Moraes não se posicionasse ao contrário.

Deltan se articulou com um dos assessores, e orientou que “um vídeo viralizaria” em relação a Alexandre de Moraes já ter defendido a prisão em segunda instância. Também buscou ajuda da procuradora Thaméa Danelon, como exposto em trecho abaixo:

Deltan Dallagnol – Temos que reunir infos de que no passado apoiava a execução após julgamento de SEGUNDO grau e passar pros movimentos baterem nisso muito
Deltan Dallagnol – Deixar cara a mudança
Thaméa Danelon – Ok. Eu posso passar para os movimento.
Thaméa Danelon – Para o Vem pra Rua e Nas Ruas

Depois, Dallagnol engrossou as intenções ao mandar outras mensagens a Danelon: “Um jeito elegante de pressionar rs”.

O procurador instaurou a prática como costume. Quando, em junho de 2017, a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) anunciou a lista tríplice com os mais votados para o cargo de procurador-geral da República, Deltan queria insuflar novamente os movimentos de direita para irem de acordo com o que ele achava melhor para a Lava Jato. O nome de Nicolao Dino foi o escolhido.

“Caros, Nicolao ganhou. Ele é a voz anticorrupção. É o primeiro da lista tríplice”, disse a colaboradores do Mude. Sabendo que a credibilidade da pressão estava minada vindo dele, adicionou: “Sem mencionar minha sugestão, Vcs conseguiriam articular uma campanha para ser nomeado o primeiro da lista? Ele é o top. Essa campanha não tem legitimidade se sair da gente. Apenas se sair da sociedade”, disse.

Já em 2018, para apoiar as 10 Medidas Contra a Corrupção, encabeçadas pelo Ministério Público Federal mas endossada por assinaturas da sociedade civil, Dallagnol e Danelon deixaram explícitos os posicionamentos políticos, algo condenado pelo Código de Ética e de Conduta do Ministério Público da União. “Temos que cuidar pra não parecer pressão. Se não estivéssemos na LJ, o tom seria outro kkkkk. Ia chutar o pau da barraca rs. Depois chutava a barraca e eles todos tb kkk”, disse Dallagnol. A procuradora concordou, e ainda acrescentou: “Eu colocava todos na barraca e metralhava kkkk”.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem