…

TSE manda remover vídeos de Bolsonaro sobre kit anti-homofobia

Política

O ministro Carlos Horbach, do Tribunal Superior Eleitoral, mandou remover seis vídeos publicados nas redes sociais de Jair Bolsonaro. Neles, o candidato do PSL à Presidência mente sobre a distribuição pelo Ministério da Educação do kit anti-homofobia, chamado pelo presidenciável de “kit gay”, o que jamais ocorreu. Fernando Haddad, do PT, foi ministro da pasta.

Leia também:
Cid Gomes se exalta com vaias e diz que o PT vai “perder feio”
O Messias e o Espírito Santo

Na decisão, o ministro concluiu que o vídeo “gera desinformação no período eleitoral, com prejuízo ao debate político”. Segundo ele, é notório que o projeto ‘Escola sem Homofobia’ não chegou a ser executado pelo ministério, o que leva à necessária conclusão de não ter havido “distribuição do material didático a ele relacionado”.

O kit foi idealizado em 2012 como uma cartilha para auxliar professores a trabalhar o tema da diversidade sexual em sala de aula. Acabaou cancelado após pressão de grupos religiosos e parlamentares, a exemplo de Bolsonaro.

No total, os advogados de Haddad pediram ao TSE a remoção de 42 links relativos ao tema, mas o ministro mandou retirar do ar apenas seis, justamente aqueles em que Bolsonaro relata a suposta distribuição do material.

Nos vídeos, Bolsonaro mente ao dizer que o livro “Aparelho Sexual e Cia – um guia inusitado para crianças descoladas” foi distribuído pelo MEC nas escolas. A pasta nega ter incluído a obra em sua relação de livros didáticos. A obra foi adquirida pelo Ministério da Cultura, mas, segundo a pasta, destina-se a bibliotecas de uso geral.

O candidato do PSL afirma nos vídeos que o livro é “coletânea de absurdos que estimula precocemente as crianças a se interessarem por sexo. É uma porta aberta para a pedofilia”.

“O que o governo de Dilma Rousseff faz? Compra centenas de milhares desses livros e distribui para as escolas. É uma grana para os companheiros e fica pervertendo seus filhos em sala de aula”, completa o deputado em outro trecho.

Em entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, no primeiro turno, Bolsonaro chegou a levar o livro “Aparelho Sexual e Cia” como suposta prova de que o PT distribuiu um “kit gay” nas escolas.

Mobilização

Acionar a Justiça não tem sido o único caminho para combater as chamadas Fake News. Grupos de ativistas se mobilizaram para desmentir boatos e notícias falsas nas redes sociais, em especial no Whatsapp. Um desses grupos reúne programadores, engenheiros, matemáticos e profissionais liberais baseados no Rio de Janeiro. Saiba mais aqui.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem