Política

Touro de Ouro da Bolsa de Valores em SP é alvo de protesto contra a fome

A intervenção foi realizada e registrada por ativistas da Juventude Fogo no Pavio e Movimento Raiz da Liberdade

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

A escultura do Touro de Ouro instalada na terça-feira 16 em frente à Bolsa de Valores brasileira, a B3, em São Paulo, amanheceu com cartazes de protestos contra a fome. A intervenção foi realizada e registrada por ativistas da Juventude Fogo no Pavio e Movimento Raiz da Liberdade nas redes sociais.

Este é o segundo protesto contra a fome na Bolsa brasileira. O primeiro foi a ocupação do prédio da B3 liderada pelo Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto. O objetivo das ações é chamar a atenção para a fome que atinge 19 milhões de pessoas no Brasil enquanto investidores seguem lucrando altas cifras com as políticas do atual governo de Jair Bolsonaro.

Na peça colada na escultura, que imita o Touro de Bronze de Wall Street em Nova York, é possível ler a palavra ‘FOME’ em letras garrafais.

“Enquanto o lucro e a acumulação de riquezas seguem aprofundando a exploração incansável dos nossos trabalhos cada vez mais precarizados. Tudo isso muito beneficiado pela política entreguista e genocida de Bolsonaro!”, publicaram os movimentos organizadores do protesto nas redes sociais.

“Assim como o Touro de Wall Street é alvo de trabalhadores e trabalhadoras que resistem, aqui o Touro de Ouro também será”, acrescentaram os ativistas na publicação.

O ato também repercutiu nas redes sociais e gerou reações de apoio de políticos da oposição.

Guilherme Boulos, pré-candidato ao governo de São Paulo pelo PSOL e líder do MTST, usou as redes para repercutir a ação. “O touro ganhou a marca do Brasil de Bolsonaro”, escreveu o político ao parabenizar os ativistas pela denúncia da fome.

Talíria Petrone, líder do PSOL na Câmara dos Deputados, também publicou sobre os protestos. “O touro da fome agora está como merece ser lembrado”, repercutiu a deputada ao celebrar a ação dos movimentos sociais.

“O Brasil não precisa de um touro dourado, precisamos de comida no prato. Em menos de 24 horas o touro do mercado foi marcado pelo real problema: FOME!”, publicou Chico Alencar (PSOL-RJ).

Para a deputada Fernanda Melchionna (PSOL-RS), a escultura é uma ‘representação patética da vergonha do governo Bolsonaro’.

“A representação patética do touro de Wall Street (EUA) em frente à Bolsa de Valores de SP, construído para demonstrar o poder do mercado financeiro norte-americano, no Brasil só pode representar a fome. Bolsonaro passa vergonha ao invés de resolver os reais problemas do povo”, escreveu a parlamentar.

A deputada Vivi Reis, também do PSOL, foi outra a se posicionar sobre o tema. Nos seus perfis escreveu: “Num país onde a miséria e a fome são crescentes, essa demonstração de poder do mercado financeiro norte-americano é de uma vergonha sem tamanho”.

Getulio Xavier

Getulio Xavier Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.