Solto após habeas corpus, Michel Temer tem 62 milhões bloqueados

Ordem foi expedida pelo juiz Marcelo Bretas um dia após a prisão, e corria em sigilo

Michel Temer (Foto: Mauro Pimentel/ AFP)

Michel Temer (Foto: Mauro Pimentel/ AFP)

Política

Fora da cadeia por uma decisão do TRF2, o ex-presidente Michel Temer terá uma surpresa nada agradável ao voltar pra casa. Um dia depois de decretar a prisão preventiva, na quinta 21, o juiz Marcelo Bretas bloqueou bens e contas bancárias vinculados ao emedebista. O total chega a 62 milhões de reais.

Em três contas de Michel Temer, o Banco Central encontrou cerca de 8,2 milhões de reais, e congelou os valores. Os comprovantes da transação foram revelados pelo jornalista Fausto Macedo, do Estadão. 

A ordem de Bretas corria em sigilo, para evitar que os suspeitos tentassem se desfazer dos bens.  O juiz também decretou o congelamento dos bens de Maristela Temer, filha do ex-presidente e acusada de receber propina da Engevix em uma reforma de apartamento. E também de outros alvos da Operação, como o ex-ministro Moreira Franco (MDB) (R$ 2,1 milhões), e o coronel João Baptista Lima (62 milhões).

Leia também: Corrupção não se combate violando regras, diz decisão que soltou Temer

O MPF do Rio acusa Temer de chefiar uma organização criminosa que ‘assalta o país’ há mais de quarenta anos, e teria recebido mais de 1,8 bilhão de reais ao longo desses anos. O caso que culminou na a prisão é baseado em delações de José Antunes Sobrinho, dono da Engevix, que diz ter repassado 1 milhão de reais em propina ao Coronel Lima,

 

Leia também: Desembargador manda soltar Michel Temer e Moreira Franco

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem