Política

Sérgio Camargo quer mudar nome de Fundação Palmares para Princesa Isabel

Contrário ao movimento negro, o presidente da instituição considera alteração como ‘grande desafio’

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, ao lado do presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução/Twitter
Apoie Siga-nos no

O presidente da Fundação Cultural Palmares, Sérgio Camargo, voltou a declarar seu desejo de alterar o nome da instituição para André Rebouças ou Princesa Isabel. 

“Não faz sentido homenagear Zumbi [dos Palmares], um líder tirano e escravocrata”, publicou o presidente da Instituição no Twitter, neste domingo 9.

“É uma das propostas que constam do projeto que apresentei à Secretaria Especial da Cultura quando fui convidado para assumir a presidência da instituição, em outubro de 2019”, afirmou Camargo.

O presidente ainda afirmou que se a alteração dependesse dele, já teria feito “na base da canetada”. No entanto, a mudança precisa de autorização de outros órgãos federais, como a Câmara dos Deputados.

Em outra oportunidade, em novembro de 2021, Camargo já havia sinalizado o desejo de homenagear a princesa, considerada por muitos como a suposta redentora que aboliu a escravidão no Brasil. 

Tal versão da história é criticada por movimentos negros por ignorar a resistência e a luta, colocando a abolição como um ato de bondade. 

Desde que foi indicado ao cargo pelo presidente Jair Bolsonaro, Camargo se envolveu em diversas polêmicas. Ele é acusado de assédio moral, perseguição ideológica e discriminação contra funcionários. Na semana passada a Justiça proibiu que o presidente da Instituição doasse parte do acervo da Fundação. Ele alegava que as obras selecionadas tinham caráter ideológico. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.