Política

Senadora do PSL conhecida como “Moro de saias” tem mandato cassado

Juíza por 22 anos, Selma Arruda foi uma das novatas eleitas pelo arrastão conservador estrelado por Jair Bolsonaro

A senadora Selma Arruda (PSL-MG): risco de cassação (Geraldo Magela/Agência Senado)
A senadora Selma Arruda (PSL-MG): risco de cassação (Geraldo Magela/Agência Senado)

O Tribunal Regional Eleitoral do Mato Grosso (TRE-MT) decidiu, por unanimidade, cassar o mandato da senadora Selma Arruda (PSL-MT) sob acusação de abuso de poder econômico e caixa dois. Ela poderá recorrer ao TSE, sem deixar o mandato. Seus doIs suplentes também foram implicados.

Em fevereiro, o Ministério Público Eleitoral pediu que pediu à Justiça Eleitoral que cassasse o diploma da parlamentar, e que houvesse novas eleições para a cadeira dela. As investigações apontam que a equipe da senadora gastou o equivalente a 1,2 milhão de reais em recursos de origem clandestina.

Juíza por vinte e dois anos, Selma foi uma das novatas eleitas pelo arrastão conservador estrelado por Jair Bolsonaro. Aposentou-se no ano passado e, nessa mesma época, pediu filiação ao PSL. Foi a mais votada em Mato Grosso, com 24% dos votos válidos.

Selma se elegeu prometendo combater a corrupção e as organizações criminosas. Em 2017, ela fez parte a Operação Sodoma, que prendeu o ex-governador Silval Barbosa (MDB) e outros políticos, e foi responsável pela decisão que o condenou a 13 anos e 7 meses de prisão. Daí a comparação com o juiz de Curitiba.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!