CartaExpressa

Senado deve votar nesta terça-feira PL que flexibiliza regras para liberação de agrotóxicos

Entidades e ativistas do meio ambiente têm criticado a proposta e alertado para o seu risco para a segurança alimentar dos brasileiros

Texto foi aprovado pela Comissão de Agricultura do Senado em dezembro de 2022. Foto: Hippopx/Reprodução
Apoie Siga-nos no

O plenário do Senado deve votar, nesta terça-feira 28, um projeto de lei que flexibiliza as regras de aprovação e comercialização de agrotóxicos no Brasil. O texto, que veio da Câmara e substitui uma matéria apresentada em 1999 pelo ex-senador Blairo Maggi (PP), teve a urgência aprovada na semana passada e está pronto para ir a votação.

A Comissão de Meio Ambiente também aprovou o relatório do senador Fabiano Contarato (PT) na última quarta-feira. O projeto estabelece diretrizes para pesquisa, experimentação, produção, comercialização, importação e exportação, embalagens e destinação final e fiscalização dos defensivos agrícolas.

Um dos pontos avalizados pelo colegiado é a concentração da liberação de agrotóxicos pelo Ministério da Agricultura, hoje sob a batuta do ministro Carlos Fávaro (PSD). A matéria só passou na comissão após um acordo com a Frente Parlamentar da Agropecuária, que defendia a retirada da exigência de análise de risco para aprovação de produtos genéricos de moléculas já em uso no País.

Em seu parecer, Contarato excluiu um artigo a prever que apenas instituições representativas de agricultores, engenheiros agrônomos ou florestais, entidades de pesquisa ou de extensão, ou os titulares de registro possuem autorização de uso dos pesticidas.

O texto foi aprovado pela Comissão de Agricultura do Senado em dezembro de 2022 e seguiria para votação no plenário logo na sequência, mas um recurso apresentado à mesa diretora permitiu que a matéria passasse antes pelo colegiado ambiental.

Entidades e ativistas do meio ambiente têm criticado a proposta e alertado para o seu risco. O Instituto Mercy For Animals Brasil reforçou em vídeo publicado nas redes sociais que o texto coloca em risco a segurança alimentar dos brasileiros.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo