Política

Secretaria da Mulher é esvaziada em São Paulo; 99% do orçamento é direcionado para Transporte

A única ação social com orçamento da Secretaria da Mulher destina 10 reais, ao total, para a Educação em Direitos Humanos e Cidadania

Foto: Elaine Alves/Governo do Estado de SP
Apoie Siga-nos no

A Secretaria de Políticas para a Mulher, criada em janeiro pelo governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), não tem mais recursos suficientes para atender a defesa da mulher. 

Dados obtidos pelo portal UOL, divulgados nesta quinta-feira 27, mostram que 99% do orçamento da pasta pertencem à antiga Secretaria de Logística e Transporte de São Paulo.

A única ação social com verba da Secretaria da Mulher destina 10 reais, ao total, para a Educação em Direitos Humanos e Cidadania.

Antes da criação da Secretaria, as ações voltadas para a população feminina eram tratadas na pasta de Justiça, pela equipe de Coordenação de Políticas para a Mulher. 

Para conseguir criar a pasta, sem passar pelo crivo dos deputados — através de um projeto de lei. O governador precisou mudar por decreto o nome da Secretaria de Logística e Transportes para Secretaria de Políticas para a Mulher. 

Com a medida, era para o orçamento da área de transporte ser herdado pela Secretaria da Mulher.

No entanto, a maior parte das verbas vão para políticas de transportes.

Os dados do Sigeo, Sistema de Informações Gerenciais da Execução Orçamentária, do governo estadual mostram que do valor total do orçamento de 782,8 milhões de reais da pasta de Sonaira Fernandes:

  • 768 milhões são para o Departamento de Estradas de Rodagem;
  • 5,3 milhões para a Companhia Docas de São Sebastião.

Restam apenas 9,4 milhões de reais para a Secretaria da Mulher, o que simboliza 1% do total. Até o momento, a pasta reservou 4,1 milhões de reais para “Gestão Administrativa”, como pagamento de salários e fornecedores.

Outros 4,1 milhões de reais foram reservados para despesas de transportes:

  • 1 milhão para a contratação de serviços de telecomunicações e tráfego aéreo para o Aeroporto de Sorocaba;
  • 2,1 milhões para pagar funcionários inativos da antiga Secretaria de Logística e Transporte.

Segundo o governo, as atribuições da Secretaria de Logística e Transportes “foram transferidas para a Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística”, informou o governo. Já a Secretaria de Transportes Metropolitanos cuida do sistema metroferroviário e é responsável pela infraestrutura de transporte urbano metropolitano de passageiros nas seis regiões metropolitanas do Estado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo