Santini, demitido por usar voo da FAB, é nomeado secretário nacional da Justiça

Santini é amigo de Eduardo Bolsonaro e desde o início do governo vem ocupando postos no Planalto e na Esplanada

Bolsonaro e  Vicente Santini. Foto: Alan Santos/PR

Bolsonaro e Vicente Santini. Foto: Alan Santos/PR

Política

O governo federal exonerou Claudio de Castro Panoeiro do cargo de secretário nacional de Justiça do Ministério da Justiça e nomeou para o seu o lugar José Vicente Santini, que foi secretário executivo da Casa Civil quando Onyx Lorenzoni estava à frente da pasta, mas foi exonerado do cargo pelo presidente Jair Bolsonaro após ter usado voo da Força Aérea Brasileira (FAB) em viagem oficial à Ásia.

A nomeação de Santini na nova função está publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira 4 em portaria assinada pela Casa Civil. Graduado em Direito pelo Instituto de Educação Superior de Brasília (Iesb), com mestrado em Direito das Relações Internacionais pelo Centro Universitário de Brasília (Ceub), Santini é amigo de Eduardo Bolsonaro, deputado federal pelo PSL de São Paulo e filho do presidente, e desde o início do governo Bolsonaro vem ocupando postos no Planalto e na Esplanada.

Cargos

Mesmo depois da demissão determinada em janeiro do ano passado por Bolsonaro, que considerou a atitude do auxiliar “inadmissível”, Santini já havia retornado ao governo federal em setembro, quando ganhou um cargo de assessor especial do então ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Na ocasião, a volta de Santini teve o aval do Planalto após os três processos a que ele respondia terem sido encerrados por não apontarem irregularidade no uso do voo da FAB para ir à Europa e à Ásia acompanhar uma viagem do presidente Bolsonaro no Fórum Econômico Mundial, na Suíça.

Santini estava como interino do então ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, quando recorreu à FAB para fazer a viagem. Ele foi demitido por Bolsonaro no fim de janeiro de 2020, mas horas depois, por influência de Eduardo Bolsonaro, foi nomeado para um novo cargo. A nova nomeação repercutiu mal nas redes sociais e Bolsonaro demitiu Santini novamente.

Em fevereiro deste ano, ele saiu do Meio Ambiente e voltou a despachar no Planalto, como secretário executivo da Secretaria-Geral da Presidência da República, cargo do qual foi exonerado no último dia 29 de julho, para agora assumir a Secretaria Nacional de Justiça do Ministério da Justiça.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem