Renan quer Braga Netto na CPI e diz que o general ameaça o País ‘na defesa de um governo corrupto’

Senadores querem esclarecer a atuação do ministro na chefia da Casa Civil, cargo que ocupou entre fevereiro de 2020 e abril deste ano

Braga Netto e Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sá/AFP

Braga Netto e Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sá/AFP

Política

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), sugeriu a convocação do ministro da Defesa, Walter Braga Netto, à comissão. De acordo com Calheiros, a presença do ministro é “fundamental” para avançar os trabalhos do colegiado. Senadores querem coletar informações do período que Braga Netto chefiou a Casa Civil.

 

 

O atual ministro da Defesa foi criticado pelo relator do colegiado, que declarou que Netto faz ameaças diuturnas de golpe no País “na defesa de um governo corrupto e impopular”. O pedido de Renan ocorre após uma tensão entre as Forças Armadas e o Senado. Na semana passada, o ministro da Defesa e os comandantes das Forças Armadas divulgaram uma nota criticando o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM). Aziz afirmou que o “lado podre” das Forças estava envolvido em “falcatruas do governo”.

Os senadores querem chamar Braga Netto para esclarecer a atuação do ministro na chefia da Casa Civil, cargo que ocupou o cargo entre fevereiro do ano passado e abril deste ano. A CPI suspeita de ação da Casa Civil na compra de vacinas e contatos com o ex-diretor de Logística em Saúde do Ministério da Saúde, Roberto Dias, acusado de pedir propina.

As críticas de Renan também foram direcionadas ao presidente da República, Jair Bolsonaro, que afirmou que o chefe do Executivo trocou a cúpula das Forças Armadas “em um aparelhamento incompatível”.

O Broadcast Político apurou que Aziz ainda apresenta resistência em pautar a convocação de Braga Netto, apesar do clima com as Forças Armadas e da pressão de colegas.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem