Renan diz que Bolsonaro participou de compra superfaturada da Covaxin

'O presidente da República apenas não sabia da negociação e da bandalheira, ele tinha participado. É muito pior', afirmou o relator da CPI

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Política

O relator da CPI da Covid no Senado, Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou durante a sessão desta quarta-feira 7, que o presidente Jair Bolsonaro participou da compra superfaturada de vacinas Covaxin.

Segundo destacou, ele acredita ter elementos que indicam não apenas que o Bolsonaro foi informado de possíveis irregularidades na compra do imunizante, mas que participou diretamente da negociação com a Índia.

“Do pedido ao contrato houve um aumento de 50% do preço da vacina. Vacina, repito, cujo pedido ao primeiro-ministro da Índia foi feito pelo presidente da República. O presidente da República apenas não sabia da negociação e da bandalheira pela conversa dos irmãos Miranda, ele tinha participado. É muito pior”, destacou o relator.

Segundo Calheiros, o pedido de Bolsonaro para comprar 20 milhões de doses de Covaxin feito diretamente ao primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, indicam que o presidente estava ciente da negociação e dos preços em 2020, antes mesmo da denúncia levada por ele pelos irmãos Miranda.

Sobre a acusação, Calheiros foi questionado pelo governista Fernando Bezerra (MDB-PE) se tinha provas da mudança repentina de preços na Covaxin.

O relator disse que sim, indicando que iria reexibir o memorial de reunião com o Ministério da Saúde ocorrida em 20 de novembro de 2020, no qual está registrada a informação de que a vacina seria negociada a 10 dólares, podendo ainda ter o valor reduzido se a quantidade de doses fosse ampliada.

Governistas alegam que não se trata de uma proposta oficial.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem