CartaExpressa,Política

TCU dá 10 dias para o governo explicar os preços do contrato da Covaxin

TCU dá 10 dias para o governo explicar os preços do contrato da Covaxin

Fotos: INDRANIL MUKHERJEE/AFP e EVARISTO SÁ/AFP

Fotos: INDRANIL MUKHERJEE/AFP e EVARISTO SÁ/AFP

O ministro Benjamin Zymler, do Tribunal de Contas da União, estabeleceu o prazo de 10 dias para que o Ministério da Saúde esclareça os preços do contrato que previa a compra da vacina Covaxin. O imunizante indiano entrou na mira da CPI da Covid, do Ministério Público Federal e do TCU após as denúncias do deputado federal Luis Miranda (DEM-DF).

O acordo para a aquisição de 20 milhões de doses foi assinado pelo governo de Jair Bolsonaro em fevereiro deste ano. Na última terça-feira 29, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que o contrato seria suspenso, por recomendação da Controladoria-Geral da União.

Zymler cobra explicações sobre o preço de cada dose da Covaxin, 15 dólares, “considerando a existência de uma proposta inicial de U$ 10,00, registrada na memória da reunião ocorrida no Ministério da Saúde em 20/11/2020”.

O governo também deve enviar ao TCU uma “cópia da memória ou ata da reunião ocorrida em 20/11/2020 entre a Covaxin e a Secretaria Executiva do Ministério da Saúde, mencionada no Ofício 2090/2020/SE/GAB/SE/MS, bem como de todos os memorandos de entendimento e de todas as atas de reunião que trataram do assunto da aquisição da vacina Covaxin, desde as primeiras tratativas até o fechamento do ajuste”.

O TCU ainda quer saber se a Saúde promoveu algum gerenciamento dos riscos do contrato; se as investigações prévias contra as empresas que negociam a Covaxin chegaram ao conhecimento do ministério; se o ministério realizou alguma negociação do preço de aquisição; e se o ministério realizou algum comparativo entre o preço ofertado para a pasta e o preço contratado da mesma vacina em outros países.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem