Política

Relatoria a senador petista desagrada e Renan Calheiros deixa a CPI da Braskem

Calheiros, que propôs a abertura, reivindicava a vaga, mas colegas temiam que ele utilizasse a comissão para estimular a histórica briga política em Alagoas com Lira

CPI da Braskem (CPIBRASKEM) realiza reunião de trabalho. A finalidade da CPI é investigar, no prazo de 120 (cento e vinte) dias, com limite de despesas de R$ 120.000,00 (cento e vinte mil reais), os efeitos da responsabilidade jurídica socioambiental da empresa Braskem S.A, decorrente do caso Pinheiro/Braskem, em Maceió, Alagoas. Mesa: relator da CPIBRASKEM, senador Rogério Carvalho (PT-SE); presidente da CPIBRASKEM, senador Omar Aziz (PSD-AM). Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

A escolha do senador Rogério Carvalho (PT-SE) para a relatoria da CPI da Braskem abriu uma crise no colegiado e resultou na saída de Renan Calheiros (MDB) da comissão. A investigação mira eventuais omissões da petroquímica no amparo às famílias atingidas pelo afundamento de solo em Maceió.

O desastre na capital alagoana foi responsável pela formação de crateras subterrâneas, que abriram rachaduras em ruas, prédios e casas, e deixou ao menos 60 mil desalojados.

O anúncio do relator foi feito pelo senador Omar Aziz (PSD) nesta quarta-feira, durante a primeira sessão do colegiado.

Calheiros, que propôs a abertura da investigação parlamentar, reivindicava a vaga, mas integrantes da CPI temiam que ele utilizasse a comissão para ampliar a histórica briga política em Alagoas com o clã do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP).

Aziz pediu para que o seu colega entendesse a decisão. “O compromisso que estamos assumindo é levantar todos os cadáveres para ter chegado nessa situação porque isso não chegou do dia para noite, não aconteceu do dia para noite e nós vamos levantar e quem me conhece sabe que vai levantar e sem amarras”, pontuou.

O alagoano, contudo, anunciou que não concordava com a decisão e que sairia do colegiado. Ponderou também que se o caso tivesse ocorrido em Sergipe, ele abriria mão da relatoria para que Carvalho assumisse por ter mais conhecimento da situação na região.

A decisão da presidência foi chancelada pelos senadores Otto Alencar (PSD-BA) e Dr. Hiran (PP). Vice-presidente da CPI, o senador Jorge Kajuru (PSB-GO) chegou a oferecer a vice-presidência a Calheiros, que a recusou.

A CPI, que vai ocorrer apenas no Senado, é composta por 11 senadores e sete suplentes, totalizando 18 vagas. Dentre os 18 representantes, apenas oito são do Nordeste.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo