CartaExpressa

Relator vota para arquivar representação contra Márcio Jerry por acusação de assédio

Segundo ele, o contexto era de tumulto, e o comportamento não teria tido fins libidinosos

Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O deputado federal Ricardo Maia pediu o arquivamento de uma representação contra o deputado Márcio Jerry (PCdoB-MA) no Conselho de Ética da Câmara por ausência de justa causa. O relatório contrário ao andamento da apuração foi apresentado nesta quarta-feira 2.

Jerry é acusado de ter assediado a deputada Júlia Zanatta (PL-SC), por cochichar no ouvido da colega durante uma audiência na Comissão de Segurança Pública em abril. A ação foi lida como um episódio de assédio e, segundo a representação, seria uma quebra de decoro parlamentar que pode justificar a perda do mandato.

O parlamentar nega as acusações. Após a leitura do relatório, o deputado Alexandre Ramagem (PL-RJ) pediu vista e a votação foi adiada.

Para o relator do caso, uma discussão entre Zanatta e a deputada Lídice da Mata (PSB-BA) foi o motivo pelo qual Jerry se aproximou da colega. Por isso, prosseguiu, a conduta do parlamentar “não configura afronta ao decoro parlamentar”.

Segundo ele, o contexto era de tumulto, e o comportamento não teria tido fins libidinosos ou de impedir ou restringir os direitos políticos da deputada enquanto mulher. “Considerando o local onde o representado originalmente estava e a multidão que se encontrava no recinto, não havia outra forma de se aproximar da deputada Júlia”, disse.

Em resposta, Zanatta criticou o relatório do emedebista, protestou contra o arquivamento e disse que Jerry nunca a procurou para pedir desculpas.

“Essa casa não é balada, não é cabaré de Salvador. Mesmo se fosse, nenhum homem tem o direito de se aproximar de uma mulher daquela forma”, declarou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo