Queiroga teve oito compromissos oficiais em NY antes de testar positivo para Covid; veja a lista

O ministro da Saúde participou de encontros com chefes de Estado e investidores

A delegação brasileira em Nova York no domingo 19. Foto: Reprodução/Redes Sociais

A delegação brasileira em Nova York no domingo 19. Foto: Reprodução/Redes Sociais

Política

Antes de anunciar o teste positivo para Covid-19, na noite da terça-feira 21, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, participou de ao menos oito compromissos em Nova York.

 

 

Queiroga chegou aos Estados Unidos no domingo 19 acompanhado do presidente Jair Bolsonaro, da primeira-dama Michelle Bolsonaro, do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e dos ministros Gilson Machado (Turismo) e Augusto Heleno (Secretaria-Geral).

Eis os compromissos oficiais de Queiroga:

Segunda-feira 20:

  • Café da manhã com investidores, no Consulado-Geral do Brasil em NY
  • Encontro com o premiê britânico, Boris Johnson, com participação de Bolsonaro
  • Reunião com a presidenta da Rare Disease International, com participação de Michelle Bolsonaro

Terça-feira 21:

  • Encontro com o presidente da Polônia, Andrezj Duda, com participação de Bolsonaro
  • Encontro com o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, com participação de Bolsonaro
  • Abertura da 76ª Assembleia-Geral da ONU, com participação de Bolsonaro
  • Reunião do Conselho Diretor da Organização Panamericana de Saúde
  • Visita ao Memorial Nacional do 11 de Setembro, com Bolsonaro

Na noite de domingo, horas após a chegada a Nova York, integrantes da comitiva, entre eles Queiroga, comeram pizza em uma calçada. Gilson Machado publicou o registro nas redes sociais.

Na segunda-feira 20, o ministro da Saúde mostrou o dedo do meio para manifestantes anti-Bolsonaro que o interpelaram na saída da residência da comitiva brasileira. No vídeo, que circulou nas redes sociais, também é possível ver o ministro das Relações Exteriores, Carlos França, fazendo o sinal de “arminha” com as mãos.

Após o teste positivo para a Covid-19, Queiroga terá de permanecer por 14 dias em Nova York. Somente em diárias, a quarentena do ministro deve custar no mínimo 30 mil reais, já que o quarto mais barato no hotel em que ele está hospedado custa 5.735 dólares para o período.

Enquanto isso, o ministro decidiu reproduzir postagem antivacina nas redes sociais. Na publicação compartilhada, há ataques à Coronavac e questionamentos infundados sobre o uso de máscara.

“Que ironia! Ministro Marcelo Queiroga seguiu todos os protocolos, vacinou com a Coronavac, usa máscara o tempo inteiro e foi contaminado. O presidente não se vacinou, não usa máscara, estava ao lado dele e não pegou”, escreveu uma seguidora na imagem reproduzida por Queiroga.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem