Política

PT se prepara para avalanche de fake news bolsonaristas na reta final da eleição

‘Uma das prioridades da semana é acionar tudo o que for necessário a Justiça Eleitoral para tentar conter essa grande operação’, diz o deputado Alexandre Padilha

Lula e Jair Bolsonaro. Fotos: Ricardo Stuckert e Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

Com a liderança do ex-presidente Lula na disputa do segundo turno, o PT espera uma avalanche de fake news contra o partido nos últimos dias de campanha. Seria, na avaliação de petistas, a única arma da campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL) nesta reta final da eleição.

O ex-capitão aparece em desvantagem em todas as pesquisas dos principais institutos do País. A distância de Lula para o adversário varia de 6 a 7 pontos percentuais nos votos totais.

Entre os petistas, havia uma preocupação na semana passada com uma possível melhora do desempenho de Bolsonaro, mas a declaração do presidente sobre o ‘pintou um clima’ com garotas venezuelanas, a notícia de que o ministro da Economia, Paulo Guedes, pretende acabar com a correção do valor do salário mínimo e o episódio do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB) impediram qualquer crescimento do ex-capitão nas intenções de voto, de acordo com membros do partido.

Com o tempo escasso para ensaiar uma recuperação, Bolsonaro tem usado as suas agendas – principalmente no Sudeste e em alguns estados do Nordeste – para reforçar as pautas morais e de segurança pública.  Em discursos, o presidente invariavelmente liga o PT a temas como aborto, ideologia de gênero e drogas.

“Uma das prioridades da semana é acionar tudo o que for necessário a Justiça Eleitoral para tentar conter essa grande operação”, afirmou o deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP) em contato com CartaCapital. “Mas também vacinar a população brasileira sobre os absurdos que virão de fake news nos próximos dias”.

O parlamentar não descarta que, dado o cenário de favoritismo de Lula a quatro dias do pleito, a campanha de Bolsonaro receba ajuda de aliados da extrema-direita internacional.

“A extrema direita brasileira, aliada com a extrema direita internacional, prepara a maior operação de desestabilização de uma eleição que se tem registro na história”, diz. “Eles enxergam o Brasil como um caso”.

Nesta quarta-feira 26, em comício em Teófilo Otoni (MG), o presidente buscou associar o PT a uma suposta ‘fraude’ de redução das inserções de propagandas da sua campanha em rádios, em especial no Nordeste. Aliados do ex-capitão enviaram ao Tribunal Superior Eleitoral um relatório em que detalha a denúncia.

“Sou vítima mais uma vez”, disse Bolsonaro no interior de Minas. “Aí tem dedo do PT. Não tem coisa errado no Brasil que não tenha dedo do PT”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.