Presidente da Fundação Palmares exclui Marina Silva da lista de personalidades negras da instituição

Sérgio Camargo ainda disse que ex-ministra, Jean Wyllys, Talíria Petrone, David Miranda e Preta Gil 'são pretos por conveniência'

Sérgio Camargo, nomeado para a Fundação Palmares (Foto: Redes Sociais)

Sérgio Camargo, nomeado para a Fundação Palmares (Foto: Redes Sociais)

Política

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, excluiu Marina Silva da lista de personalidades negras da instituição cultural porque “não tem contribuição relevante para a população negra do Brasil”.

“O ambientalismo dela vem sendo questionado e não é o foco das ações da instituição”, escreveu em seu perfil nas redes sociais.

Camargo ainda escreveu que “Marina Silva autodeclara-se negra por conveniência política”.

 

 

“Não é um caso isolado. Jean Wyllys, Talíria Petrone, David Miranda (branco) e Preta Gil também são negros por conveniência. Posar de ‘vítima’ e de ‘oprimido’ rende dividendos eleitorais e, em alguns casos, financeiros”, complementou.

Em junho, em uma reunião gravada, Camargo chamou o movimento negro de “escória”, disse que Zumbi era um “filho da puta que escravizava pretos” e criticou o Dia da Consciência Negra.

 

Reação nas redes sociais

Marina Silva reagiu no Twitter: “Temos que encarar isso com a altivez de quem sabe que a história não é feita por aqueles que têm uma visão autoritária e que eventualmente estão no poder, mas por aqueles que persistem na democracia e nos valores da civilização”.

 

 

Não foi a única. Jean Wyllys e Talíria Petrone também se manifestaram:

 

 

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem