Política

Prefeita do PL em Santa Catarina joga livros no lixo por não respeitarem ‘valores’

Juliana Maciel, de Canoinhas, não explicou de forma concreta por que descartou as obras

Fotos: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

A prefeita de Canoinhas (SC), Juliana Maciel (PL), publicou nas redes sociais um vídeo no qual aparece jogando livros no lixo. Ela se referiu às obras como “porcaria” e alegou que não seriam adequadas para crianças e adolescentes, por não respeitarem seus “valores”.

“Mais uma vez o governo do PT faz este tipo de coisa. Não é o que realmente uma criança ou até um adolescente precisa ler numa biblioteca. Então, aqui em Canoinhas, a gente jogou esse tipo de porcaria no lixo”, disse Maciel, que se elegeu pelo PSDB, mas migrou para o partido de Jair Bolsonaro no ano passado.

Ela não revelou de quais livros se desfez, nem mencionou o conteúdo deles. Instou, porém, outros prefeitos a fazerem um “pente-fino para ver se também não estão sendo enganados mais uma vez por essa política do que a gente não acredita”.

O vídeo recebeu diversas críticas. Na noite desta quinta-feira 18, o comentário mais popular na publicação da prefeita cobrava a divulgação dos títulos e uma explicação sobre os supostos problemas que justificariam a atitude.

“Ah, me esqueci, a extrema-direita não gosta de debate crítico, nem de ouvir especialistas, é tudo na base do ‘achismo’, pânico moral e apelo às emoções e não ao pensamento crítico”, escreveu a internauta. “É ano eleitoral né, precisa fazer essa performance pra garantir votos da base conservadora.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo