Política

Por que Mauro Cid depõe mais uma vez à PF sobre invasão a sistemas do Judiciário

O tenente-coronel, braço direito de Jair Bolsonaro, terá de prestar esclarecimentos sobre o hacker Walter Delgatti

Mauro Cid, antigo ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), na CPMI do 8 de Janeiro. Foto Lula Marques/Agência Brasil.
Apoie Siga-nos no

O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro, chegou à sede da Polícia Federal em Brasília por volta das 10h desta segunda-feira 28 para prestar mais um depoimento.

Desta vez, o militar terá de fornecer esclarecimentos sobre o hacker Walter Delgatti, preso sob suspeita de invadir sistemas digitais do Poder Judiciário.

A oitiva de Cid começou na sexta-feira 25, mas problemas técnicos fizeram com que o compromisso durasse apenas cerca de duas horas. Por isso, os investigadores agendaram um novo depoimento para esta segunda.

Cid está preso desde maio, sob a suspeita de envolvimento em uma suposta fraude em cartões de vacinação contra a Covid-19, inclusive o de Bolsonaro. A situação do militar se complicou ainda mais com a operação deflagrada pela Polícia Federal para apurar o desvio de presentes recebidos em viagens oficiais pelo governo do ex-capitão. A conspiração golpista de 2022 também ajuda a emparedar o tenente-coronel no Judiciário.

À PF, Delgatti afirmou ter recebido 40 mil reais da deputada Carla Zambelli (PL-SP) para invadir sistemas do Poder Judiciário. O hacker foi preso preventivamente em 2 de agosto, dia em que a corporação também cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados à parlamentar bolsonarista, que nega qualquer irregularidade no caso.

Em depoimento à CPMI do 8 de Janeiro, Delgatti também implicou Jair Bolsonaro. Conforme a versão do hacker, em 10 de agosto do ano passado o então presidente reforçou a ele um pedido: auxiliar técnicos do Ministério da Defesa a apontar ao Tribunal Superior Eleitoral uma suposta fragilidade nas urnas eletrônicas.

Além de Bolsonaro, participaram da reunião, de acordo com Delgatti, Zambelli, Cid e o coronel do Exército Marcelo Câmara, outro auxiliar do ex-capitão. O suposto plano mirabolante do QG bolsonarista – e que teria sido discutido na Defesa – envolveria a implantação de um “código malicioso” em uma urna eletrônica para gerar dúvida sobre a integridade do sistema entre eleitores.

Walter Delgatti também sustenta ter “orientado” a produção do relatório do Ministério da Defesa sobe as urnas, entregue ao TSE em novembro de 2022. A auditoria dos militares não identificou qualquer fraude no pleito, mas, ao contrário do monitoramento de outras entidades, levantou especulações e apresentou uma série de “recomendações”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo