Justiça

PGR quer prorrogar inquérito sobre big techs por campanha contra o PL das Fake News

Google e Telegram são acusados de promover uma ‘contundente e abusiva’ ação contra a proposta

Foto: iStock
Apoie Siga-nos no

A Procuradoria-Geral da República pediu ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, a prorrogação em 60 dias do inquérito que mira a atuação de diretores do Google e do Telegram contra o PL das Fake News.

De acordo com a vice-PGR Lindôra Araújo, faltam diligências “indispensáveis” para o caso, como a tomada do depoimento do representante do Telegram no Brasil. A empresa russa foi intimada, mas ainda não enviou um responsável à Polícia Federal.

“Não concluídas todas as diligências em razão da expiração do prazo de tramitação do presente procedimento apuratório, persiste a necessidade de continuação das investigações.”

O inquérito foi aberto a pedido da PGR em maio. Google e Telegram são acusados de promover uma “contundente e abusiva” ação contra o PL das Fake News. A proposta, que prevê mecanismos de combate à desinformação no ambiente digital, está travada na Câmara.

A urgência da matéria chegou a ser aprovada em plenário, mas o texto-base foi retido da pauta após a pressão das big techs.

Dois dias antes da votação, o Google passou a divulgar em sua página principal mensagens que acusavam o projeto de “piorar a internet” e “aumentar confusão sobre o que é verdade e mentira”. Pesa contra a plataforma, ainda, a suspeita de impulsionar conteúdo crítico à matéria.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo