CartaExpressa

PGR pede a condenação de Collor a 22 anos de prisão

A ação penal mira supostas irregularidades em contratos da BR Distribuidora

Com empenho infatigável, vejam só quem volta a aparecer em defesa da democracia... Foto: Moreira Mariz / Ag. Senado
Apoie Siga-nos no

A Procuradoria-Geral da República pediu a condenação do ex-presidente Fernando Collor de Melo a 22 anos e oito meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em um caso que envolve supostas irregularidades na BR Distribuidora, antiga subsidiária da Petrobras.

A manifestação da vice-PGR Lindôra Araújo foi apresentada nesta quarta-feira 10, no início do julgamento no Supremo Tribunal Federal. Ela seguiu as considerações apresentadas em 2019 pela então procuradora-geral Raquel Dodge e solicitou a condenação de Collor e outros dois envolvidos.

Após a manifestação, a sessão foi suspensa e deve ser retomada na quinta-feira 11.

A ação penal que pode levar Collor à prisão começou a tramitar na Corte em 2014. Segundo a denúncia da PGR, o grupo de Collor teria recebido 29,9 milhões de reais em propina entre 2010 e 2014, em razão de contratos de troca de bandeira de postos de combustível celebrados com a BR Distribuidora.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo