Política

PF cumpre nova fase de operação contra suspeitos de financiar atos golpistas de 8 de Janeiro

Ação em oito estados brasileiros faz parte da 26ª fase da Operação Lesa Pátria

Foto: Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

A Polícia Federal deflagrou, nesta terça-feira 16, a 26ª fase da Operação Lesa Pátria, que visa identificar executores, planejadores e financiadores dos atos golpistas do 8 de Janeiro, em Brasília. 

Agentes cumprem, nesta manhã, 18 mandados de busca e apreensão em oito estados brasileiros. Os alvos, que ainda não tiveram identidades reveladas, estão no Rio Grande do Norte, em Santa Catarina, no Pará, em São Paulo, em Minas Gerais, no Espírito Santo, em Tocantins e no Mato Grosso do Sul. 

As ações desta terça-feira foram autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, relator dos inquéritos que investigam a tentativa de golpe de Estado. 

Além da busca e apreensão, o ministro também determinou a indisponibilidade de bens, ativos e valores dos investigados. A intenção é recompor os prejuízos causados pelos vândalos naquele 8 de Janeiro. 

“Apura-se que os valores dos danos causados ao patrimônio público possam chegar à cifra de R$ 40 milhões”, diz nota da PF sobre a operação. 

Os suspeitos de financiarem os atos, foco da operação desta terça, devem responder pelos crimes de abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado, associação criminosa, incitação ao crime e destruição ou deterioração de bem especialmente protegido.

As investigações da PF no caso continuam em curso e a Operação Lesa Pátria é permanente, com atualizações periódicas acerca do número de mandados judiciais expedidos e pessoas capturadas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo