Mundo

Pacheco pede retratação de Lula por declarações sobre ataques de Israel à Faixa de Gaza

O presidente do Congresso defendeu que a ofensiva israelense deve ser analisada pelas ‘instâncias próprias da comunidade internacional’

Brasília, DF 30/08/2023 O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante solenidade de entrega do PPA Participativo 2024-2027 Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pediu uma retratação do presidente Lula (PT) pela comparação indireta entre a situação dos palestinos na Faixa de Gaza e a de judeus durante o Holocausto.

Em discurso nesta terça-feira 20, no plenário, Pacheco classificou como “equivocada” a declaração e destacou que Lula é conhecido por “estabelecer diálogos e pontes entre as nações”.

“Ainda que a reação feita pelo governo de Israel venha a ser considerada desproporcional, excessiva, violenta, indiscriminada, não há como estabelecer um comparativo com a perseguição sofrida pelo povo judeu no nazismo”, disse. “Uma fala dessa natureza deve render uma retratação, é fundamental que haja uma retratação”.

Pacheco defendeu que as incursões militares de Tel Aviv devem ser analisadas pelas “instâncias próprias da comunidade internacional, como a Corte Internacional de Justiça“.

“Não podemos compactuar com as afirmações que compararam a ação militar que está ocorrendo na região neste momento com o Holocausto, o genocídio contra o povo judeu perpetrado pelo regime nazista na Segunda Guerra Mundial.”

No final de semana, Lula classificou como “genocídio” a ofensiva em Gaza. Desde o início, o conflito deixou quase 30 mil mortos no enclave palestino, em sua maioria crianças e mulheres.

A afirmação de Lula desencadeou uma onda de críticas do governo israelense. Tel Aviv declarou o presidente “persona non grata“, termo utilizado nas relações internacionais para indicar que um representante oficial estrangeiro não é mais bem-vindo em um país.

Ato contínuo, a diplomacia brasileira resolveu chamar de volta para consultas o embaixador do Brasil em Tel Aviv, Frederico Meyer. O chanceler Mauro Vieira também convocou o embaixador israelense Daniel Zonshine para uma reunião no Itamaraty.

Após o discurso de Pacheco, o senador Omar Aziz (PSD-AM) saiu em defesa de Lula, pediu para seu colega tipificar o que acontece em Gaza e afirmou se tratar de um assunto sobre o qual a Casa “tem se mantido calada”.

“Não tem que se comparar, realmente, com o Holocausto, é impossível. Mas o presidente Lula nunca abraçou deputada nazista neta de ministro. E a direita quietinha”, completou Aziz, filho de palestino.

O encontro ao qual Aziz se refere aconteceu em 2021, durante o governo de Jair Bolsonaro (PL). Na ocasião, o mandatário recebeu uma das líderes da ultradireita alemã, a deputada Beatrix von Storch, neta de Lutz Graf Schwerin von Krosigk, ministro da Alemanha nazista.

Em resposta, Pacheco afirmou que não quis repreender Lula. O discurso, acrescentou o senador, foi no sentido de conclamar a “busca de pacificação” e o reconhecimento de que “a parte em que há qualquer comparação com o Holocausto é algo indevido e impróprio”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo