Pacheco convida embaixador da China ao Senado e pede ‘aprimoramento’ de relações

Carta é enviada após mais uma semana de ataques à China por parte do governo federal; desta vez, direto de Jair Bolsonaro

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Política

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), enviou nesta sexta-feira 7 uma carta ao embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming, convidando-o a comparecer à Casa assim que possível para o “aprimoramento da parceria de grande qualidade que tem caracterizado nossas relações bilaterais”.

 

 

O parlamentar traça paralelos entre os países, ressaltando a extensão territorial e as fronteiras, o que levaria Brasil e China a praticarem “uma conduta externa responsável e construtiva”. O senador também menciona a necessidade de um diálogo “mais intenso e aprimoramento constante da coordenação política e diplomática”.

No entanto, o convite de Pacheco a Wanming vem em mais uma semana de ataques do alto escalão do governo federal à China, país que exporta os insumos necessários para a produção das vacinas Coronavac (Instituto Butantan/Biotech) e CovidShield (Fiocruz/AstraZeneca) no Brasil.

O presidente Jair Bolsonaro fabulou, na quarta-feira 5, a possibilidade de o novo coronavírus ter sido criado em laboratório, como parte de uma suposta “guerra química, bacteriológica e radiológica”. Em seguida, questionou qual era “o país que mais cresceu seu PIB”. Depois, defendeu-se dizendo que não havia mencionado “a palavra ‘China'” em suas declarações.

Na semana passada, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que “o chinês inventou o vírus”, mas desenvolveu uma vacina menos eficiente que aquelas criadas por empresas norte-americanas.

As declarações, para o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, são prejudiciais para o recebimento dos insumos necessários para a produção das vacinas.

Leia a carta na íntegra:

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem