Onyx Lorenzoni assume caixa 2 e vai pagar R$ 189 mil para dar fim à investigação

Ministro da Cidadania recebeu parcelas não contabilizadas em campanhas eleitorais de 2012 e 2014

O ministro Onyx Lorenzoni. Foto: Carolina Antunes/PR

O ministro Onyx Lorenzoni. Foto: Carolina Antunes/PR

Política

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), fez um acordo de não-persecução penal com a Procuradoria-Geral da República (PGR), em que assumiu o recebimento de caixa 2 da JBS durante suas campanhas eleitorais nos anos de 2012 e 2014. A informação é do jornal O Globo.

O acordo foi assinado pelo procurador-geral da República, Augusto Aras.  De acordo com o veículo, o ministro aceitou pagar 189 mil reais como prestação pecuniária, em troca do encerramento das apurações sobre o caso.

Em dezembro de 2018, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), havia acatado um pedido da PGR para apurar denúncias de caixa 2 contra Onyx Lorenzoni. De acordo com delatores da JBS, ele recebeu duas parcelas de 100 mil reais da empresa JBS, não contabilizadas nas campanhas.

Segundo O Globo, o valor da prestação pecuniária corresponde ao nônuplo do salário atual do ministro, de 21 mil reais. A defesa informou ao veículo que o ministro vai pagar os 189 mil reais com um empréstimo bancário e parte de suas economias pessoais.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem